conecte-se conosco

Economia

Desemprego de longo prazo cresce 188% no Paraná

Publicado

Rodolfo Luis Kowalski com Agência Brasil

O número de paranaenses que procuram trabalho há pelo menos dois anos chegou a 124 mil no primeiro trimeste de 2019, revelam dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O número de desempregados de longo prazo no Paraná é 188,4% maior do que o verificado no mesmo período de 2015, primeiro ano da recente recessão da economia brasileira, quando 43 mil trabalhadores estavam nessa situação.

Um estudo analítico divulgado ontem pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea), inclusive, revela que o crescimento desse contingente de trabalhadores é mais acelerado no Paraná do que no restante do país. No Brasil, o número de desempregados de longo prazo cresceu 42,4% nesses quatro anos, chegando a 3,3 milhões de pessoas no primeiro trimeste deste ano.

Segundo Maria Andréia Parente Lameiras, técnica de planejamento e pesquisadora do Ipea e uma das responsáveis pelo estudo citado, o mercado de trabalho apresenta “o pior retrato” da crise econômica que assola o país, afetando mais os trabalhadores menos escolarizados e as famílias de menor renda – o que implica num crescimento da desigualdade social com a qual o país convive.

Leia mais:  Dólar opera em queda nesta segunda-feira, a R$ 3,80

“Estamos com o mercado de trabalho ainda muito deteriorado, embora nos últimos meses a gente veja alguma reação. Mas a crise tem dificultado a geração mais forte de postos de trabalho”, afirmou. “Além de reagir depois da economia como um todo, a reação (do mercado de trabalho) costuma ser muito lenta no começo”.

No caso paranaense, inclusive, praticamente um em cada quatro trabalhadores desocupados (23,1% dos 536 mil desempregados) estão há mais de dois anos buscando recolocação no mercado de trabalho. Em números absolutos, apenas Maranhão (138 mil pessoas), Pernambuco (258 mil), Bahia (351 mil), Rio de Janeiro (528 mil) e São Paulo (788 mil) apresentam um contingente de desempregados de longo prazo maior que o Paraná.

Além disso, os pesquisadores do Ipea também mostrar que o número de desempregados que procuram trabalho há pelo menos dois anos cresce mais rápido entre os jovens. Mas ainda é na faixa etária de 40 anos ou mais que estão 27,3% dos desempregados nessa situação.

Leia mais:  Metade das passagens vendidas em promoção da Gol foi para agências, diz Procon

A avaliação do Ipea é de que a recuperação do mercado de trabalho vem ocorrendo de forma gradual e só poderá atingir patamares mais expressivos no ano que vem, o que está condicionado à velocidade de tramitação e à aprovação da Reforma da Previdência no Congresso Nacional. Maria Andreia prevê que uma tramitação mais rápida pode elevar a confiança do mercado e produzir efeitos para o início de 2020, e uma aprovação mais demorada pode adiar a recuperação para o segundo semestre do ano que vem.

“Neste momento tudo está condicionado à aprovação da reforma e a que reforma será aprovada. O timing da reforma é fundamental.”

Comentários Facebook

Economia

Caixa reduz juros e anuncia R$ 33 bi em estímulos para economia

Publicado

A Caixa Econômica Federal reforçou, em R$ 33 bilhões, as linhas de crédito para enfrentar a crise provocada pelo coronavírus. O dinheiro se somará aos R$ 78 bilhões anunciados na semana passada, o que totalizará R$ 111 bilhões em recursos injetados.

Os R$ 33 bilhões adicionais serão destinados a linhas de capital de giro para empresas, que ganharam reforço de R$ 20 bilhões; para a compra de carteiras (R$ 10 bilhões); para o crédito a Santas Casas (R$ 2 bilhões) e para o crédito agrícola (R$ 1 bilhão).

A Caixa também cortou as taxas de juros do cheque especial para pessoa física, do parcelamento da fatura do cartão de crédito, de capital de giro, de empréstimos para hospitais, para o Crédito Direto ao Consumidor (CDC) e para o penhor. Os juros reduzidos entrarão em vigor em 1º de abril para o cheque especial e o cartão de crédito. Para os demais produtos, as taxas já estão em vigor.

Os juros do cheque especial passaram de 4,95% para 2,90% ao mês. As taxas do parcelamento da fatura do cartão caíram de 7,7% ao mês (em média) para juros a partir de 2,90% ao mês. Para o capital de giro, as taxas máximas passaram de 2,76% para 1,51% ao mês. As taxas do CDC caíram de 2,29% para 2,17% ao mês. Os juros do penhor foram cortados de 2,1% para 1,99% ao mês. Nas linhas de crédito para hospitais, as taxas passaram de 0,96% para 0,8% ao mês

Leia mais:  Metade das passagens vendidas em promoção da Gol foi para agências, diz Procon

O período em que o cliente pode ficar sem pagar as parcelas passou de 60 para 90 dias. A medida abrange o crédito a pessoas físicas, a pessoas jurídicas, a hospitais e o crédito habitacional para pessoas físicas e empresas.

Estados e municípios

O banco reforçou o volume de empréstimos para estados e municípios. A medida abrange os financiamentos com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e o Financiamento à Infraestrutura e Saneamento Ambiental (Finisa). De 2 a 17 de março, a Caixa empestou R$ 3,35 bilhões a governos locais, em 246 operações com 195 tomadores. Ainda estão em estudo outras 324 operações, no total de R$ 1,81 bilhão.

Conforme a Medida Provisória 927, o banco suspendeu o recolhimento do FGTS pelos empregadores em março, abril e maio. Quem não recolher pode parcelar o valor em até seis vezes, tendo o certificado de regularidade do FGTS prorrogado por 90 dias. O empregador que precisar suspender o pagamento precisará declarar as informações dos trabalhadores no aplicativo Sefip.

Micro e pequenas empresas

A Caixa anunciou uma linha de capital de giro para manutenção da folha de pagamento das micro e pequenas empresas. O valor não foi divulgado. O banco firmou parcerias para ampliação de linhas de crédito e para o suporte a pequenos negócios por meio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). A antecipação de recebíveis, quando o comerciante recebe adiantado o valor de compras com cartão de crédito, terá taxas reduzidas.

Leia mais:  Dólar opera em queda nesta segunda-feira, a R$ 3,80

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana