conecte-se conosco

Economia

Brasil cria 32 mil vagas de empregos em maio, pior resultado desde 2016

Publicado

Folhapress

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O Brasil criou 32.140 vagas formais de emprego em maio, o pior resultado para o mês desde 2016, quando foram fechados 72.615 postos de trabalho, indicam dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) divulgados nesta quinta-feira (27) pelo Ministério da Economia.

O dado veio bem abaixo de estimativas do mercado. A consultoria LCA, por exemplo, previa geração líquida de 78.200 postos. Em maio de 2018, foram geradas 33.659 vagas de emprego.

O resultado também significa uma queda brusca em relação a abril, quando foram criados 130.655 postos, segundo dados ajustados. No ano, o saldo está positivo em 351.063 vagas, aumento de 0,91% na comparação com o mesmo período de 2018. Já nos últimos 12 meses, são 474.299 postos criados, alta de 1,24%.

No mês passado, foram abertas 1,347 milhão de vagas, ante 1,315 milhão de postos fechados.

Por setores, a agropecuária abriu 37.373 vagas. A segunda maior geração veio da construção civil, com 8.459 postos. Já no comércio, foram fechadas 11.305 vagas, enquanto na indústria de transformação o saldo ficou negativo em 6.136.

Leia mais:  Segurança Privada perde 10 mil vagas no Paraná em cinco anos

Com exceção da região Sul, onde foram fechados 10.935 postos, todas as demais tiveram saldo positivo de geração de emprego. O Sudeste liderou os números, com 29.498.

Em maio, houve um saldo positivo de 7.559 postos de trabalho criados na modalidade intermitente. Um mês antes foram gerados 5.605 empregos formais. Na modalidade parcial, foram criadas 1.377 vagas, o menor número desde janeiro (225).

Comentários Facebook

Economia

Caixa reduz juros e anuncia R$ 33 bi em estímulos para economia

Publicado

A Caixa Econômica Federal reforçou, em R$ 33 bilhões, as linhas de crédito para enfrentar a crise provocada pelo coronavírus. O dinheiro se somará aos R$ 78 bilhões anunciados na semana passada, o que totalizará R$ 111 bilhões em recursos injetados.

Os R$ 33 bilhões adicionais serão destinados a linhas de capital de giro para empresas, que ganharam reforço de R$ 20 bilhões; para a compra de carteiras (R$ 10 bilhões); para o crédito a Santas Casas (R$ 2 bilhões) e para o crédito agrícola (R$ 1 bilhão).

A Caixa também cortou as taxas de juros do cheque especial para pessoa física, do parcelamento da fatura do cartão de crédito, de capital de giro, de empréstimos para hospitais, para o Crédito Direto ao Consumidor (CDC) e para o penhor. Os juros reduzidos entrarão em vigor em 1º de abril para o cheque especial e o cartão de crédito. Para os demais produtos, as taxas já estão em vigor.

Os juros do cheque especial passaram de 4,95% para 2,90% ao mês. As taxas do parcelamento da fatura do cartão caíram de 7,7% ao mês (em média) para juros a partir de 2,90% ao mês. Para o capital de giro, as taxas máximas passaram de 2,76% para 1,51% ao mês. As taxas do CDC caíram de 2,29% para 2,17% ao mês. Os juros do penhor foram cortados de 2,1% para 1,99% ao mês. Nas linhas de crédito para hospitais, as taxas passaram de 0,96% para 0,8% ao mês

Leia mais:  Governo aprova resolução para abrir mercado e tentar reduzir preço do gás natural

O período em que o cliente pode ficar sem pagar as parcelas passou de 60 para 90 dias. A medida abrange o crédito a pessoas físicas, a pessoas jurídicas, a hospitais e o crédito habitacional para pessoas físicas e empresas.

Estados e municípios

O banco reforçou o volume de empréstimos para estados e municípios. A medida abrange os financiamentos com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e o Financiamento à Infraestrutura e Saneamento Ambiental (Finisa). De 2 a 17 de março, a Caixa empestou R$ 3,35 bilhões a governos locais, em 246 operações com 195 tomadores. Ainda estão em estudo outras 324 operações, no total de R$ 1,81 bilhão.

Conforme a Medida Provisória 927, o banco suspendeu o recolhimento do FGTS pelos empregadores em março, abril e maio. Quem não recolher pode parcelar o valor em até seis vezes, tendo o certificado de regularidade do FGTS prorrogado por 90 dias. O empregador que precisar suspender o pagamento precisará declarar as informações dos trabalhadores no aplicativo Sefip.

Micro e pequenas empresas

A Caixa anunciou uma linha de capital de giro para manutenção da folha de pagamento das micro e pequenas empresas. O valor não foi divulgado. O banco firmou parcerias para ampliação de linhas de crédito e para o suporte a pequenos negócios por meio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). A antecipação de recebíveis, quando o comerciante recebe adiantado o valor de compras com cartão de crédito, terá taxas reduzidas.

Leia mais:  Etanol segue competitivo com gasolina em cinco Estados brasileiros, diz ANP

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana