conecte-se conosco

Curitiba

Espécie em extinção, arara-azul nasce no Zoológico de Curitiba

Publicado

SMCS

O quarto filhote de arara-azul a nascer no Zoológico do Alto Boqueirão ainda está sob os cuidados dos pais, em um recinto fora de exposição no parque.

A espécie, que vive nas regiões do Pantanal e da Amazônia, é considerada vulnerável na escala de risco de extinção. No último senso realizado, havia apenas quatro mil indivíduos em vida livre, em razão da caça, comércio clandestino e desmatamento.

Estima-se que o nascimento da nova arara-azul do zoo tenha sido há cerca de quatro meses, quando a equipe notou que os pais ficavam mais no ninho. “Estávamos na expectativa de que pudesse ter alguma coisa diferente em razão do comportamento do casal”, conta a chefe de Fauna do Zoo, Nancy Banevicius.

Hoje, quase do tamanho dos pais, o ainda filhote já arrisca alguns voos. Estes animais costumam ficar sob a tutela dos progenitores de 12 a 18 meses após o nascimento.

Para saber se é macho ou fêmea, é preciso fazer um teste de DNA, já que as aves não apresentam dimorfismo sexual. A informação deve ser confirmada até o próximo mês.

Leia mais:  TJ-PR nega recurso e mantém condenação contra ex-diretor da Assembleia Legislativa do Paraná

O diretor do Departamento de Pesquisa e Conservação da Fauna, Edson Evaristo, classifica o novo nascimento como mais um caso de sucesso. “É mais um ótimo resultado do nosso programa de reprodução de psitacídeos de espécies ameaçadas de extinção, que já possibilitou o nascimento de ararajubas e vários papagaios”, enumera.

Irmão famoso

O filhote é irmão do Blu, arara-azul que fugiu dos veterinários durante um teste de voo no Passeio Público, ainda em 2014.

Blu está em exposição em um recinto com uma fêmea da mesma espécie. Os dois ainda estão se conhecendo, mas espera-se que possa ser mais um casal a se reproduzir em breve.

Comentários Facebook

Curitiba

Covid-19: remessa comCovid-19: remessa com 65,5 mil vacinas para crianças chega ao Paraná 65,5 mil vacinas para crianças chega ao Paraná

Publicado

A Sesa (Secretaria de Estado da Saúde do Paraná) recebeu na madrugada desta terça-feira (18) mais 65.500 vacinas da Pfizer/BioNTech para crianças, de 5 a 11 anos, contra a Covid-19.

Esta é a segunda remessa direcionadA Sesa (Secretaria de Estado da Saúde do Paraná) recebeu na madrugada desta terça-feira (18) mais 65.500 vacinas da Pfizer/BioNTech para crianças, de 5 a 11 anos, contra a Covid-19.

Esta é a segunda remessa direcionada ao público infantil e faz parte do 78º Informe Técnico do governo federal. O documento orienta os municípios a vacinarem seguindo a ordem de prioridades, começando pelas crianças com comorbidades e deficiências permanentes.a ao público infantil e faz parte do 78º Informe Técnico do governo federal. O documento orienta os municípios a vacinarem seguindo a ordem de prioridades, começando pelas crianças com comorbidades e deficiências permanentes.

As vacinas destinadas às crianças chegaram ao Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, às 23h10, e nos próximos dias serão distribuídas para as 22 Regionais de Saúde do Paraná.

Leia mais:  Guarda Municipal manda 133 novos oficiais para aumentar segurança em Curitiba

“Estamos só no começo ainda na vacinação deste novo público. Receberemos e vamos distribuir muitos lotes como este, para que, desta forma, consigamos atingir as mais de 1 milhão de crianças do Estado. Estou confiante de que, assim como foi com os adolescentes, teremos bastante comparecimento aos postos de vacinação”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

A imunização das crianças depende de consentimento dos pais ou responsáveis. Caso eles não estejam presentes no momento da vacinação, é necessário entregar uma autorização por escrito.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana