conecte-se conosco

Norte do Estado

MP denuncia homem pela morte da adolescente Jeniffer Tavares, em Maringá

Publicado

Por RPC Maringá

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) denunciou, nesta terça-feira (18), Carlos Alberto Dias da Silva e o irmão dele, Roberto Dias da Silva, pela morte da adolescente Jeniffer Tavares, em Maringá, no norte do Paraná.

Carlos foi denunciado por homicídio qualificado, fraude processual, ocultação de cadáver e estupro de vulnerável. O irmão, Roberto, é acusado por ocultação de cadáver e fraude processual.

Segundo a denúncia, Roberto ajudou Carlos a dispensar o corpo da adolescente, além de esconder roupas e objetos da vítima e do irmão, em uma tentativa de atrapalhar as investigações.

corpo de Jeniffer Tavares foi encontrado no dia 7 de maio, em uma estrada da cidade. Antes, a adolescente era considerada desaparecida. Carlos Alberto foi preso no dia 10 de maio.

Denúncia

De acordo com o Ministério Público, ao ser interrogado, Roberto admitiu que pegou roupas do irmão em um motel, mas disse que o corpo da vítima foi escondido pelo próprio Carlos, sem ajuda dele.

A denúncia do MP aponta que Carlos Alberto usou força física para estuprar e assassinar Jeniffer. Conforme a denúncia, o acusado apertou o pescoço da adolescente e bateu a cabeça dela contra a cabeceira da cama do motel.

Leia mais:  Homens invadem terreno ao lado de presídio e são mortos pela PM, em Londrina

Ainda de acordo com o MP, Carlos dopou Jennifer sem o consentimento dela.

O laudo do Instituto Médico-Legal (IML) apontou como causas da morte asfixia e traumatismo craniano. O exame também concluiu que ela foi estuprada antes de morrer.

Depois de ser preso, Carlos Alberto disse à polícia que a adolescente morreu de overdose e afirmou que não sabia o motivo do traumatismo craniano constatado pelo laudo.

Ele disse ainda que não apertou o pescoço da vítima, mas que apenas colocou a mão na língua da adolescente para que não enrolasse.

A defesa de Carlos afirmou que só vai se manifestar depois de ter acesso ao teor da denúncia.

G1 tenta contato com a defesa de Roberto Dias da Silva.

O Ministério Público pediu à Vara da Infância e Juventude que tome providências em relação ao motel onde a adolescente e os acusados estiveram, já que Jeniffer tinha menos de 18 anos e não poderia estar no local.

A defesa do motel não quis se manifestar sobre o assunto.

Leia mais:  Vacinação contra a gripe em Maringá é retomada para idosos com mais de 80 anos

Comentários Facebook

Norte do Estado

Duplicação de Londrina a Mauá da Serra terá investimento de R$ 148 milhões

Publicado

Duplicação de Londrina a Mauá da Serra terá investimento de R$ 148 milhões

O Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR) divulgou nesta segunda-feira (22) o resultado final da licitação para duplicar a PR-445 entre Mauá da Serra e o distrito de Lerroville, de Londrina, na região Norte. O consórcio DT PR 445, composto pelas empresas Dp Barros Pavimentação e Construção Ltda. e Tríade Pavimentações S.A., foi declarado vencedor por ter feito a proposta de preço mais vantajosa à administração pública, de R$ 148.032.561,17, e por ter toda a sua documentação habilitada. As demais participantes têm cinco dias úteis, até as 18h do dia 26 de novembro, para protocolarem recursos quanto ao resultado da licitação, seguido por outros cinco dias para contrarrazões, caso algum recurso seja interposto. Na sequência será publicada a homologação do resultado e adjudicação da realização da obra à vencedora, seguidas por trâmites internos para assinatura do contrato. Estão previstas a duplicação de 27,07 quilômetros da PR-445, implantação de um viaduto no acesso ao município de Tamarana, vias marginais entre Tamarana e Lerroville, uma rótula no acesso para Lerroville, pontes sobre os rios Santa Cruz e Apucaraninha, onze retornos em nível, a correção da geometria em sete curvas consideradas críticas, e restauração da pista existente. A pista nova terá duas faixas de rolamento de 3,60 m cada, em sentido único, e acostamento externo de 2,50 m, separada da pista atual por um canteiro central de 7 m a 9 m de largura e faixa de segurança de 60 centímetros de cada lado, na maior parte do trecho. No local onde não será possível o canteiro, as pistas serão separadas por barreira rígida de concreto New Jersey, com faixa de segurança interna de 1 metro de largura em cada lado. O prazo para concluir a obra é de 18 meses após assinatura do contrato e emissão da ordem de serviço. Serão beneficiados diretamente os mais de 25 mil habitantes de Mauá da Serra e Tamarana, além de todo o tráfego de veículos entre Londrina e Curitiba, ou entre Londrina e Paranaguá.

Leia mais:  PRF apreende 100 kg de cocaína e 150 kg de crack em Maringá

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana