conecte-se conosco

Cidades

Ministério Público pede que Manvailer siga preso até julgamento da morte de advogada

Publicado

Redação Bem Paraná com assessoria

O Ministério Público do Paraná voltou a se manifestar, nesta terça-feira,9, pedindo a manutenção da prisão do biólogo Luis Felipe Manvailer e para que ele seja levado a júri popular. Manvailer é acusado de ter matado a esposa, a advogada Tatiane Spitzner, de 32 anos, em julho do ano passado, em Guarapuava, na região central do Estado. No documento, os promotores do caso, Pedro Henrique Brazão Papaiz e Dúnia Serpa Rampazzo afirmam que a prova técnica apresentada no decorrer da ação penal é forte e contundente e demonstra efetivamente que a morte de Tatiane Spitzner foi causada por esganadura provocada pelo réu.

O MP reforça que após o crime o acusado fugiu, demonstrando desrespeito pela vida da esposa. A defesa de Luis Felipe Manvailer alega que Tatiane morreu ao cair da sacada do apartamento onde o casal morava, no quarto andar de um prédio em Guarapuava.

As câmeras de segurança do prédio registraram diversas agressões, desde a chegada do casal na garagem até o elevador do prédio. Manvailer recolheu o corpo da advogada e o levou de volta ao apartamento, onde foi encontrado. Em sentença de pronúncia, a juíza Paola Mancini de Lima, da 2ª Vara Criminal de Guarapuava, já decidiu que o biólogo será levado ao Tribunal do Júri.

Leia mais:  Saúde do Paraná está em alerta por conta do surto de sarampo em estados vizinhos

Manvailer será julgado pelos crimes de homicídio qualificado por motivo fútil, uso de meio cruel e feminicídio, além de fraude processual por ter retirado o corpo da vítima da calçada e limpado vestígios de sangue. A juíza arquivou a acusação de cárcere privado, por entender que não havia provas suficientes de que ele praticou este crime. Na sentença ela destacou que a decisão não representa um juízo de certeza sobre o crime, e sim de suspeita. Agora, caberá ao júri popular decidir se Manvailer é culpado ou não.

A data do julgamento ainda não foi marcada. Manvailer está preso preventivamente na Penitenciária Industrial de Guarapuava.

Comentários Facebook

Cidades

Prefeito evangélico é alvo de macumba em Mato Grosso

Publicado

O prefeito Jeferson Ferreira Gomes (DEM), de Comodoro, extremo oeste de MT, que é evangélico, foi surpreendido por um “despacho espiritural” no cemitério da cidade. A informação é do site Olhar Direto.

Segundo a publicação, o despacho foi descoberto na primeira quinzena neste mês.

No local havia um papel com nome do prefeito em cruz, garrafa de cachaça e um sapo morto. Tudo junto e misturado. O “trabalho” foi descoberto por uma moradora que visitava o túmulo de parente.

O despacho estava na porta, com terra de cemitério sobre o nome.

Não se sabe por quais motivos, alguém deseja a morte do prefeito, que não comentou o assunto.

Mistério!

Comentários Facebook
Leia mais:  Incêndio atinge galeria da cadeia pública de Ponta Grossa
Continue lendo

Mais Lidas da Semana