conecte-se conosco

Curitiba

Estruturas viárias mais antigas de Curitiba passarão por perícia técnica

Publicado

Cerca de um mês após o grupo de vereadores vistoriar as condições de viadutos e pontes de Curitiba, o prefeito Rafael Greca (DEM) determinou uma nova vistoria em 63 estruturas viárias mais antigas da capital. O objetivo destas perícias, que terão um valor de R$ 5 milhões, é gerar laudos que indiquem quais pontes, viadutos ou trincheiras precisam de manutenção. A mobilização pela verificação das condições destas estruturas começou depois que parte de um viaduto desabou na CIC, em setembro do ano passado.

Entre os pontos que serão verificados nestas 63 estruturas em Curitiba estão análise de infiltração, das juntas de dilatação, dos aterros das cabeceiras e dos pilares de sustentação. “Faremos o trabalho preventivo contra o risco de desabamento por fadiga de material”, apontou o prefeito.

O pagamento de R$ 5 milhões por esta vistoria será pago meio de licitação que será elaborada pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc). O edital de contratação deve ser publicado na abertura do orçamento de 2020, que deve ocorrer ainda neste mês.

Leia mais:  Locais de uso coletivo serão obrigados a fazer medição de temperatura no Paraná; falta sanção do governador

Pra evitar tragédias

Em novembro do ano passado, durante vistoria feira por vereadores, foram verificadas estruturas como a ponte do Tingui e o Viaduto do Capanema. Outra estrutura que gerou preocupação é o viaduto do Tarumã, que foi alvo de algumas denúncias que citavam rachaduras. Esta estrutura, por sinal, passará por uma grande revitalização para ser transformada em viaduto triplo. Veja o projeto.

E o viaduto do Orleans, quando sai?

Falando em melhorias para a cidade, outra estrutura que promete melhorar a vida de moradores do Orlens ainda não tem data para sair do papel. Moradores e comerciantes ouvidos pela Tribuna apontam que há anos a revitalização no Viaduto do Orleans é necessária, uma vez que os congestionamentos são constantes por ali.

Comentários Facebook

Curitiba

Jovem que estava desaparecida foi assassinada em Curitiba

Publicado

Desaparecida desde outubro deste ano, a jovem Ana Carla Dalacosta de Menezes foi encontrada morta em Curitiba. O corpo já havia sido localizado na manhã do dia 10 do mês passado, mas só nesta sexta-feira (19) foi identificado.

Ana era moradora de Rolândia e foi considerada desaparecida após sair de casa informando que iria atrás de um emprego em Maringá. Alguns dias depois, ela teria sido vista em Apucarana.

No entanto, Ana viajou para Curitiba e foi brutalmente assassinada na capital paranaense. O corpo foi localizado em chamas às margens do Rio Belém, na Rua Sérgio Venci, por moradores da região. A Guarda Municipal foi chamada e controlou o fogo.

A Polícia Científica realizou a perícia e contratou que ela pode ter sido morta asfixiada, antes de atearem fogo no corpo.

Nos últimos dias, o pai da vítima divulgou nas redes sociais sobre o seu desaparecimento, pois estranhou que ela estava há muitos dias sem se comunicar com a família. Ao descobrir que havia um corpo no Instituto Médico Legal (IML), de Curitiba, que batia com as características de Ana Carla, familiares foram até a capital e com um exame de arcada dentária, conseguiram confirmar que se tratava dela. A família também reconheceu as roupas que ela usava.

Leia mais:  ACP volta a pressionar Greca por reabertura de comércio; Prefeitura de Curitiba reageACP volta a pressionar Greca por reabertura de comércio; Prefeitura de Curitiba reage

A Divisão de Homicídios segue com a investigação para tentar identificar o autor ou autores do crime. A motivação do crime ainda é desconhecida.

O corpo de Ana Carla após ser liberado, deverá ser encaminhado para Rolândia onde acontecerá o enterro.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana