conecte-se conosco

Economia

Dólar opera em queda nesta segunda-feira, a R$ 3,80

Publicado

G1

O dólar operava em queda na manhã desta segunda-feira (8), véspera de feriado no estado de São Paulo, com investidores à espera da votação da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados e em meio à redução das expectativas de corte de juros nos Estados Unidos.

Por volta das 10h14, a moeda norte-americana caía 0,34%, cotada a R$ 3,8044.

Na sexta-feira (5), o dólar fechou a R$ 3,8174, em alta de 0,48%.

Internamente, os investidores continuam monitorando os próximos passos da votação da reforma da Previdência. A aprovação do texto-base na comissão especial da Câmara, por 36 votos a 13, aumentou as chances de votação no plenário antes do recesso parlamentar (de 18 a 31 de julho).

A proposta agora seguirá ao plenário da Câmara, onde passará por novos debates. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), anunciou que a reforma começará a ser analisada pelo plenário na terça-feira (9).

Lá fora, o mercado acompanha a possibilidade de corte de juros pelo Federal Reserve, o Fed, banco central dos Estados Unidos. Em relatório semestral divulgado na sexta-feira, o banco descreveu o mercado de trabalho do país como forte e a inflação baixa como “transitória”.

Leia mais:  Bolsonaro: 'Guedes vai diminuir impostos, em quantidade e porcentual também'

Comentários Facebook

Economia

Caixa reduz juros e anuncia R$ 33 bi em estímulos para economia

Publicado

A Caixa Econômica Federal reforçou, em R$ 33 bilhões, as linhas de crédito para enfrentar a crise provocada pelo coronavírus. O dinheiro se somará aos R$ 78 bilhões anunciados na semana passada, o que totalizará R$ 111 bilhões em recursos injetados.

Os R$ 33 bilhões adicionais serão destinados a linhas de capital de giro para empresas, que ganharam reforço de R$ 20 bilhões; para a compra de carteiras (R$ 10 bilhões); para o crédito a Santas Casas (R$ 2 bilhões) e para o crédito agrícola (R$ 1 bilhão).

A Caixa também cortou as taxas de juros do cheque especial para pessoa física, do parcelamento da fatura do cartão de crédito, de capital de giro, de empréstimos para hospitais, para o Crédito Direto ao Consumidor (CDC) e para o penhor. Os juros reduzidos entrarão em vigor em 1º de abril para o cheque especial e o cartão de crédito. Para os demais produtos, as taxas já estão em vigor.

Os juros do cheque especial passaram de 4,95% para 2,90% ao mês. As taxas do parcelamento da fatura do cartão caíram de 7,7% ao mês (em média) para juros a partir de 2,90% ao mês. Para o capital de giro, as taxas máximas passaram de 2,76% para 1,51% ao mês. As taxas do CDC caíram de 2,29% para 2,17% ao mês. Os juros do penhor foram cortados de 2,1% para 1,99% ao mês. Nas linhas de crédito para hospitais, as taxas passaram de 0,96% para 0,8% ao mês

Leia mais:  Caixa reduz juros e anuncia R$ 33 bi em estímulos para economia

O período em que o cliente pode ficar sem pagar as parcelas passou de 60 para 90 dias. A medida abrange o crédito a pessoas físicas, a pessoas jurídicas, a hospitais e o crédito habitacional para pessoas físicas e empresas.

Estados e municípios

O banco reforçou o volume de empréstimos para estados e municípios. A medida abrange os financiamentos com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e o Financiamento à Infraestrutura e Saneamento Ambiental (Finisa). De 2 a 17 de março, a Caixa empestou R$ 3,35 bilhões a governos locais, em 246 operações com 195 tomadores. Ainda estão em estudo outras 324 operações, no total de R$ 1,81 bilhão.

Conforme a Medida Provisória 927, o banco suspendeu o recolhimento do FGTS pelos empregadores em março, abril e maio. Quem não recolher pode parcelar o valor em até seis vezes, tendo o certificado de regularidade do FGTS prorrogado por 90 dias. O empregador que precisar suspender o pagamento precisará declarar as informações dos trabalhadores no aplicativo Sefip.

Micro e pequenas empresas

A Caixa anunciou uma linha de capital de giro para manutenção da folha de pagamento das micro e pequenas empresas. O valor não foi divulgado. O banco firmou parcerias para ampliação de linhas de crédito e para o suporte a pequenos negócios por meio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). A antecipação de recebíveis, quando o comerciante recebe adiantado o valor de compras com cartão de crédito, terá taxas reduzidas.

Leia mais:  Cadastro no Armazém da Família agora é digital

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana