conecte-se conosco

Economia

Em Curitiba, comércio usa a criatividade para enfrentar a crise

Publicado

Bem Paraná - Rodolfo Luis Kowalski

Uma caminhada pelo calçadão da Rua XV, no Centro de Curitiba, revela um apelo comum do comércio. São placas anunciando liquidações, queimas de estoque e preços imperdíveis na maioria das lojas. De tão banal que as promessas de bons preços se tornaram nos últimos tempos, contudo, já resultam num vazio, incapaz de atrair clientes. A saída para alguns empreendedores, então, tem sido apostar na criatividade.

E na própria Rua XV, coração do comércio curitibano, um exemplo tem se destacado. Localizado ao lado do Bondinho, a loja da Via Anzi tem vivido dias agitados. E tudo graças a uma inusitada iniciativa do gerente Gilberto de Ávila Filho, que por conta própria resolveu criar dois personagens, o Senhor Tecido e o Homem Sacola. Eles ficam em frente à loja gerenciada por Gilberto, chamando a atenção dos que passam por ali e os convidando a visitarem a loja de sapatos.

“(A iniciativa partiu) de mim, sou gerente há três anos. Tivemos notificações sobre o uso de caixas de som, então resolvemos partir para o ataque de uma forma diferente, mais incisiva, e eu criei os personagens”, relata o gerente.

Em termos de retorno a iniciativa já rende bons frutos. Nas lojas da Via Anzi na Rua XV, o faturamento cresceu cerca de 20%. E há ainda a mídia espontânea, gerada por postagens nas redes sociais e o interesse da mídia em cobrir o assunto – além do Bem Paraná, conta Gilberto, outros veículos de comunicação já o procuraram para que participasse de reportagens sobre criatividade no comércio.

Leia mais:  Desafio de Gustavo Montezano no BNDES será acelerar privatizações

“É difícil esse ramo, tem de chamar a atenção dos clientes. Nós conseguimos isso porque fazemos algo diferente. O pessoal é acostumado a pegar panfleto, ouvir locutor, mas não tem nada que realmente chame a atenção”, diz ele. “Sábado aqui vira uma loucura, tanto que coloquei duas pessoas para trabalhar só nisso. O pessoal adora os personagens, pedem para tirar foto”.

Críticas
De início, contudo, a iniciativa não foi tão bem aceita, principalmente pelos concorrentes. “Recebi muita crítica. O pessoal dizia que esse tipo de coisa não se faz, empobrece a marca. Jamais fariam isso (os concorrentes), acham pobre demais. Mas eu estou pensando lá na frente. Tenho a ideia de criar um mascote lindo, a cara da marca. Ainda bem que eles (concorrentes) não gostam, que daí eles não criam também”, comenta Gilberto.

Gerente promete mais novidades e atrações em breve
Para os que já acompanham e gostam dos personagens da Via Anzi, Gilberto de Ávila Filho revela que em breve os clientes terão novidades relacionadas a esse marketing inusitado. “Estou inventando outros personagens, mas é tudo segredo, para a concorrência não imitar”, brinca o gerente.
A ideia da rede, conta ainda ele, é colocar os personagens em todas as lojas. O problema, contudo, é a resistência dos gerentes de outras lojas, que acreditam não ser trabalho deles fazer esse tipo de divulgação. “Mas eu sou focado em números. Nosso líder é bem aberto, o que nos abre um campo grande para promover as vendas. Meu sonho é ser supervisor para um dia criar esse padrão para toda a rede”, conta Gilberto.

Leia mais:  Dólar opera em queda nesta segunda-feira, a R$ 3,80

Felicidade é a alma do negócio e foi tema de outra iniciativa
No começo deste ano, o Bem Paraná já havia apresentado uma outra iniciativa curiosa: um anúncio de emprego (com direito a smile no cartaz) da rede Multi Gula (uma espécie de supermercado de ponta de estoque) onde lia-se: “Estamos contratando pessoas felizes”.
A empresa, fundada há dois anos, vivia uma fase de crescimento e resolveu aperfeiçoar o atendimento ao cliente, investindo em capacitação e treinamento. “Cada colaborador se empenha ao máximo para fazer a pessoa mais alegre, ficar mais a vontade. A ideia é aproximar o cliente, dar liberdade para conversar”, explicou na ocasião Cid Becker, gerente daloja na Rua Marechal Deodoro, no Centro de Curitiba.
Tão logo foi implementado, o novo modelo de trabalho deu resultados até mesmo melhores que o esperado, dobrando o faturamento da loja em menos de duas semanas. “Coloquei o cartaz porque queremos profissionais que passem uma energia positiva. A loja é a mesma, mas as pessoas perguntam se mudou de dono, se é nova gestão. Estamos recebendo uma enxurrada de elogios”, comemorou o gerente, que chegou a receber 200 currículos por dia.

Comentários Facebook

Economia

Caixa reduz juros e anuncia R$ 33 bi em estímulos para economia

Publicado

A Caixa Econômica Federal reforçou, em R$ 33 bilhões, as linhas de crédito para enfrentar a crise provocada pelo coronavírus. O dinheiro se somará aos R$ 78 bilhões anunciados na semana passada, o que totalizará R$ 111 bilhões em recursos injetados.

Os R$ 33 bilhões adicionais serão destinados a linhas de capital de giro para empresas, que ganharam reforço de R$ 20 bilhões; para a compra de carteiras (R$ 10 bilhões); para o crédito a Santas Casas (R$ 2 bilhões) e para o crédito agrícola (R$ 1 bilhão).

A Caixa também cortou as taxas de juros do cheque especial para pessoa física, do parcelamento da fatura do cartão de crédito, de capital de giro, de empréstimos para hospitais, para o Crédito Direto ao Consumidor (CDC) e para o penhor. Os juros reduzidos entrarão em vigor em 1º de abril para o cheque especial e o cartão de crédito. Para os demais produtos, as taxas já estão em vigor.

Os juros do cheque especial passaram de 4,95% para 2,90% ao mês. As taxas do parcelamento da fatura do cartão caíram de 7,7% ao mês (em média) para juros a partir de 2,90% ao mês. Para o capital de giro, as taxas máximas passaram de 2,76% para 1,51% ao mês. As taxas do CDC caíram de 2,29% para 2,17% ao mês. Os juros do penhor foram cortados de 2,1% para 1,99% ao mês. Nas linhas de crédito para hospitais, as taxas passaram de 0,96% para 0,8% ao mês

Leia mais:  Abono salarial PIS/Pasep 2018-2019: prazo para retirar benefício termina na sexta-feira

O período em que o cliente pode ficar sem pagar as parcelas passou de 60 para 90 dias. A medida abrange o crédito a pessoas físicas, a pessoas jurídicas, a hospitais e o crédito habitacional para pessoas físicas e empresas.

Estados e municípios

O banco reforçou o volume de empréstimos para estados e municípios. A medida abrange os financiamentos com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e o Financiamento à Infraestrutura e Saneamento Ambiental (Finisa). De 2 a 17 de março, a Caixa empestou R$ 3,35 bilhões a governos locais, em 246 operações com 195 tomadores. Ainda estão em estudo outras 324 operações, no total de R$ 1,81 bilhão.

Conforme a Medida Provisória 927, o banco suspendeu o recolhimento do FGTS pelos empregadores em março, abril e maio. Quem não recolher pode parcelar o valor em até seis vezes, tendo o certificado de regularidade do FGTS prorrogado por 90 dias. O empregador que precisar suspender o pagamento precisará declarar as informações dos trabalhadores no aplicativo Sefip.

Micro e pequenas empresas

A Caixa anunciou uma linha de capital de giro para manutenção da folha de pagamento das micro e pequenas empresas. O valor não foi divulgado. O banco firmou parcerias para ampliação de linhas de crédito e para o suporte a pequenos negócios por meio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). A antecipação de recebíveis, quando o comerciante recebe adiantado o valor de compras com cartão de crédito, terá taxas reduzidas.

Leia mais:  Dólar opera em queda nesta segunda-feira, a R$ 3,80

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana