conecte-se conosco

OESTE E SUDOESTE

Câmara de Bandeirantes devolve mais de R$ 1 milhão ao Executivo

Publicado

A Câmara de Vereadores de Bandeirantes, através do presidente Daniel Gustavo da Silva ‘Babão’, entregou na segunda-feira (23) passada ao prefeito municipal Lino Martins ofício com comunicado sobre transferência financeira no valor de R$ 1.084,441,59 ao Poder Executivo. A devolução se trata da economia dos recursos da atual Mesa Diretora do Legislativo relativo ao duodécimo que é repassado mensalmente pelo Executivo para que a Câmara mantenha suas atividades. O repasse do duodécimo é uma obrigação do Executivo Municipal e está prevista na Constituição Federal e na LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal).

Durante a entrega do ofício sobre a transferência financeira, o prefeito municipal Lino Martins destacou a importância da percepção e sensibilidade da Câmara na geração da economia e a devolução dos recursos para a municipalidade. “Recurso muito importante que poderemos aplicar nas diversas áreas, pois é de fonte livre, mas como temos várias prioridades, teremos que realizar e elencar algumas”, comentou o prefeito.

Mesmo não havendo obrigatoriedade na devolução dos recursos à Prefeitura, todos os vereadores bandeirantenses assim como os servidores do Legislativo, contribuíram e colaboraram para atingir ao objetivo comum proposto pela Mesa Diretora. “O objetivo comum é de realizar um trabalho sério e ético, pautado pelos princípios constitucionais da legalidade e eficiência, resultando em redução nas compras e licitações realizadas ao longo do exercício financeiro de 2019, além de outras medidas de contenção de despesas que, somadas, representam economia significativa para o Município. O recurso ajudará a resolver diversas situações no Município”, explicou o presidente da Câmara. A economia gerada representa 36,6% do orçamento destinado à Câmara Municipal em 2019.

Leia mais:  Quase 400 mil pessoas passaram pela Expobel

Segundo ‘Babão’, a geração da economia foi realizada com a maturidade da vereança quanto ao cumprimento do dever democrático, da responsabilidade com o erário público e do comprometimento com a coletividade. “A restituição desse valor é fruto de um trabalho conjunto dos vereadores, com o auxílio da Mesa Diretora e de todos os funcionários do Legislativo. É motivo de muito orgulho e felicidade a devolução desta quantia ao Erário Municipal, fruto de muita economia em diferentes seguimentos, mas sem deixar de oferecer as condições necessárias aos nobres edis para o desempenho das atividades de seu mandato”, finalizou.

De acordo com o presidente, o valor deste ano é superior à devolução realizada no exercício de 2018, quando atingiu o montante de R$ 929.375,46. “O que justifica, além das razões já destacadas, pelo repasse estabelecido na Lei Orçamentária para este ano ter sido um pouco maior”, finalizou.

Comentários Facebook

OESTE E SUDOESTE

Torneio avalia qualidade da silagem de milho e incentiva melhorias no sistema de produção

Publicado

O clima teve uma influência direta sobre a qualidade das silagens de milho produzidas na região de Pato Branco, no Sudoeste, neste ano. No entanto, alguns produtores driblaram essas dificuldades e conseguiram obter uma silagem de alta qualidade, reduzindo os custos com a alimentação dos animais.

Essas foram algumas observações dos servidores do IDR-Paraná (Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná) a partir do Terceiro Torneio de Silagem de Chopinzinho, cujo resultado foi divulgado na última semana. O evento foi realizado presencialmente e transmitido ao vivo.

A competição selecionou os dez produtores que obtiveram silagem de melhor qualidade na região. Foram analisadas 167 amostras, de 15 municípios, além de alguns materiais de Guarapuava e Pinhão, que não entraram no torneio.

As amostras passaram por análises para determinar o tamanho das partículas, a composição química e o valor nutricional do alimento. Além disso, a densidade e temperatura do silo também foram observadas, já que são fatores que determinam se a silagem pode ser oferecida com segurança aos animais.

Os dez primeiros colocados no torneio foram Valdecir Melo (Saudade do Iguaçu), Ivanete Machado (Bom Sucesso do Sul), Sidnei Remor (Chopinzinho), Irno Rosaneli (Vitorino), Marizete Rahrs (Bom Sucesso do Sul), João Denardin (Mangueirinha), Sérgio Onesco (Bom Sucesso do Sul), Cesar Santin, Disué Vottri e Douglas Donatti (Vitorino). Os primeiros cinco colocados ganharam prêmios em dinheiro e a partir do sexto lugar receberam um troféu.

De acordo com os servidores, neste ano a estiagem no início do período de crescimento do milho e o excesso de chuva na hora de colher o cereal acabou atrasando o plantio da safrinha de milho.

Leia mais:  Torneio avalia qualidade da silagem de milho e incentiva melhorias no sistema de produção

“Com isso os produtores tiveram que fazer o corte do milho para silagem mais cedo, com o milho mais verde, antes do ponto de maturação. O milho estava mais úmido e resultou numa silagem com pouca concentração de grãos e menor valor energético”, explicou o zootecnista Guilherme Koerick, do IDR-Paraná de Chopinzinho.

TAMANHO NÃO É DOCUMENTO  O zootecnista ressalta que o tamanho da propriedade não foi um fator preponderante para os bons resultados dos vencedores. Segundo ele, a área das propriedades entre os dez primeiros colocados variou de 1,8 hectare a 32 hectares.

“São produtores que usaram mais adubo, orgânico e químico, que a média da região. Eles também terceirizaram o corte da silagem. Optaram pela profissionalização dessa etapa do trabalho”, disse Koerick.

Foi possível verificar que um entre cada três produtores que participaram do torneio não fez a compactação adequada da silagem. “Essa baixa densidade leva a perdas pela presença de muito oxigênio no material”, informou Koerick.

Ele acrescentou que melhorar a compactação do silo pode evitar que a silagem estrague e o produtor tenha perdas. Na região a média de compactação é de 568 kg/metro cúbico, enquanto entre os dez primeiros colocados do torneio a média ficou em 639 kg/metro cúbico.

Outro ponto importante é que 62% dos produtores fazem um bom processamento dos grãos. Os outros 38% precisam executar alguns ajustes, já que o milho inteiro tem menor aproveitamento pelos animais, segundo os extensionistas.

Leia mais:  PRF apreende 1 tonelada de maconha escondida em milho no Paraná

ORIENTAÇÃO  De acordo com Lucas Fernando Oliveira dos Santos, do IDR-Paraná de Palmas, o torneio tem vários objetivos, mas ele destaca o caráter educativo da competição. “Procuramos avaliar a qualidade da silagem, dar um feedback para o produtor em termos nutricionais e orientá-lo para que tenha uma silagem de mais qualidade, diminuindo perdas e tendo um melhor aproveitamento”, afirmou Santos.

O Terceiro Torneio de Silagem de Chopinzinho foi realizado pelo IDR-Paraná em parceria com a Palmas Leite, Sicredi, Cooperativa de Leite da Agricultura Familiar (CLAF), Lallemand, Cresol, Codepar, Silagem Mangueirinha, Panorama Leilões, prefeituras de Saudades do Iguaçu e de Chopinzinho.

PROJETO – O projeto Qualidade da Silagem é uma das frentes de trabalho dos extensionistas, já que a conservação de volumosos é uma estratégia para oferecer alimento aos rebanhos de gado de corte e leite ao longo do ano.

A silagem está presente em quase todas as propriedades da região Sul do Brasil. Porém, os técnicos afirmam ainda que o alimento apresenta variações na sua composição em função do híbrido de milho cultivado, dos manejos culturais e procedimentos durante o processo de ensilagem.

Os extensionistas lembram que o conhecimento da composição bromatológica da silagem de milho utilizada na alimentação do rebanho é fundamental para o correto ajuste da dieta no dia a dia, evitando desperdícios na propriedade.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana