conecte-se conosco

Economia

Acionistas da Netshoes aprovam venda para a Magazine Luiza

Publicado

G1

Os acionistas da Netshoes, empresa especializada na venda de artigos esportivos na internet, decidiram em assembleia nesta sexta-feira (14) escolher a oferta da Magazine Luiza pela compra do controle da companhia. A proposta da rede da família Trajano contou com o apoio de 90,32% dos acionistas.

Com a decisão, a venda da Netshoes será efetivada pelo valor de US$ 3,70 por ação, o equivalente a cerca de US$ 114,9 milhões (cerca de R$ 448 milhões, considerando uma cotação de dólar a R$ 3,90).

O valor é quase duas vezes maior que a oferta inicial apresentada pelo Magazine Luiza, que fez inicialmente uma proposta de US$ 87 milhões e acabou elevando mais duas vezes o valor após o grupo varejista SBF, dono da rede de lojas Centauro, ter entrado na disputa.

O valor, entretanto, é quase 10% menor que a última oferta feita pela Centauro, de US$ 4,10 por ação, ou cerca de US$ 127,3 milhões.

O documento sobre o resultado da assembleia informa que espera consumar a fusão com a Magazine Luiza até o próximo dia 19. Os acionistas da Netshoes receberão à vista o pagamento de US$ 3,70 para cada ação ordinária detida.

Na noite de quinta-feira, o conselho de administração da Netshoes decidiu manter a recomendação pela escolha da proposta do Magazine Luiza, informando não ter condições de avaliar a tempo a nova oferta da Centauro, citando ainda que uma demora em decidir sobre o assunto poderia criar riscos, dadas as incertezas ligadas à aprovação da operação por órgãos reguladores da concorrência, num momento em que a empresa sofre severas restrições de caixa.

Leia mais:  Preço médio do botijão de gás sobe de R$ 69 para R$ 76 em Curitiba

Por volta das 13h desta sexta, as ações do Magazine Luiza tinham valorização de 2%, entre as principais altas do Ibovespa, que caía 0,25%. Os papeis da Netshoes em Nova York caíam 2,6%, em linha com a oferta vencedora do Magazine Luiza. Já as ações da Centauro mostravam queda de 1,7%.

Centro de distribuição da Netshoes  — Foto: Marcelo Brandt/G1Entenda a disputa

A Netshoes abriu o capital na bolsa de Nova York em 2017, precificando cada ação a US$ 18. Na época, a empresa captou cerca de US$ 140 milhões. No entanto, um ciclo de queda das receitas e prejuízos enfraqueceu seu perfil financeiro da empresa e derrubou fortemente o valor dos papéis, que fecharam a US$ 3,80 cada na véspera.

A disputa pela Netshoes mostrou a relevância de empresas de comércio eletrônico em atrair consumidores que estão cada vez mais inclinados a comprar produtos online em seus smartphones e tablets.

Antes de o Magazine Luiza formalizar a primeira proposta, o grupo de comércio eletrônico B2W também afirmou em abril que analisava uma eventual compra da Netshoes.

Leia mais:  Governo estuda liberar saque de até 35% do saldo de contas ativas do FGTS

No final de abril, a Magazine Luiza anunciou acordo para ficar com a Netshoes por cerca de US$ 62 milhões, ou US$ 2 por ação.

No dia 23 de maio, porém, o grupo SBF, dono da rede de lojas Centauro, entrou na disputa com uma proposta da ordem de US$ 87 milhões, ou US$ 2,80 por ação.

No dia 26 de maio, o Magazine Luiza aumentou em 50% a sua oferta inicial, para US$ 93 milhões, o equivalente a US$ 3 por ação.

No dia 29 de maio, o grupo SBF, elevou a sua proposta para cerca de US$ 108,7 milhões, o equivalente a US$ 3,50 por ação e, no dia 11 de junho, subiu a oferta para US$ 3,70 por ação, para cerca de US$ 114,9 milhões.

Magazine Luiza contra-atacou e igualou a proposta da Centauro na quinta-feira (13), acrescentando ter conseguido a recomendação do Conselho de Administração da Netshoes para os acionistas votarem favoravelmente à aprovação da operação.

Também na véspera, a Centauro ofereceu pagar US$ 4,10 por ação, elevando para US$ 127,3 milhões o valor da oferta. O conselho da Netshoes informou, porém, que não teria tempo hábil para avaliá-la e recomendou a seus acionistas a proposta do Magazine Luiza.

Comentários Facebook

Economia

Caixa reduz juros e anuncia R$ 33 bi em estímulos para economia

Publicado

A Caixa Econômica Federal reforçou, em R$ 33 bilhões, as linhas de crédito para enfrentar a crise provocada pelo coronavírus. O dinheiro se somará aos R$ 78 bilhões anunciados na semana passada, o que totalizará R$ 111 bilhões em recursos injetados.

Os R$ 33 bilhões adicionais serão destinados a linhas de capital de giro para empresas, que ganharam reforço de R$ 20 bilhões; para a compra de carteiras (R$ 10 bilhões); para o crédito a Santas Casas (R$ 2 bilhões) e para o crédito agrícola (R$ 1 bilhão).

A Caixa também cortou as taxas de juros do cheque especial para pessoa física, do parcelamento da fatura do cartão de crédito, de capital de giro, de empréstimos para hospitais, para o Crédito Direto ao Consumidor (CDC) e para o penhor. Os juros reduzidos entrarão em vigor em 1º de abril para o cheque especial e o cartão de crédito. Para os demais produtos, as taxas já estão em vigor.

Os juros do cheque especial passaram de 4,95% para 2,90% ao mês. As taxas do parcelamento da fatura do cartão caíram de 7,7% ao mês (em média) para juros a partir de 2,90% ao mês. Para o capital de giro, as taxas máximas passaram de 2,76% para 1,51% ao mês. As taxas do CDC caíram de 2,29% para 2,17% ao mês. Os juros do penhor foram cortados de 2,1% para 1,99% ao mês. Nas linhas de crédito para hospitais, as taxas passaram de 0,96% para 0,8% ao mês

Leia mais:  Nota Paraná entrega prêmios quatro vezes maiores aos ganhadores

O período em que o cliente pode ficar sem pagar as parcelas passou de 60 para 90 dias. A medida abrange o crédito a pessoas físicas, a pessoas jurídicas, a hospitais e o crédito habitacional para pessoas físicas e empresas.

Estados e municípios

O banco reforçou o volume de empréstimos para estados e municípios. A medida abrange os financiamentos com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e o Financiamento à Infraestrutura e Saneamento Ambiental (Finisa). De 2 a 17 de março, a Caixa empestou R$ 3,35 bilhões a governos locais, em 246 operações com 195 tomadores. Ainda estão em estudo outras 324 operações, no total de R$ 1,81 bilhão.

Conforme a Medida Provisória 927, o banco suspendeu o recolhimento do FGTS pelos empregadores em março, abril e maio. Quem não recolher pode parcelar o valor em até seis vezes, tendo o certificado de regularidade do FGTS prorrogado por 90 dias. O empregador que precisar suspender o pagamento precisará declarar as informações dos trabalhadores no aplicativo Sefip.

Micro e pequenas empresas

A Caixa anunciou uma linha de capital de giro para manutenção da folha de pagamento das micro e pequenas empresas. O valor não foi divulgado. O banco firmou parcerias para ampliação de linhas de crédito e para o suporte a pequenos negócios por meio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). A antecipação de recebíveis, quando o comerciante recebe adiantado o valor de compras com cartão de crédito, terá taxas reduzidas.

Leia mais:  Novo Cadastro Positivo entra em vigor

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana