conecte-se conosco

Curitiba

Vereadores aprovam socorro a empresas de ônibus de Curitiba

Publicado

A Câmara Municipal de Curitiba aprovou hoje, por 24 votos favoráveis e dez contrários, projeto do prefeito Rafael Greca (DEM) que prevê a reserva de até R$ 200 milhões para socorrer as empresas do transporte coletivo da Capital, que teriam perdido receita em razão da redução do número de passageiros provocado pela pandemia do coronavírus. A proposta tramita em regime de urgência.

A prefeitura alega que houve uma redução de 70% no número de passageiros por causa das medidas de isolamento social, Segundo o Executivo, o número de pagantes caiu de 650 mil para 140 mil diários. E que a redução de receita foi de R$ 76,5 milhões mensais antes do corononavírus para R$ 51 milhões em março.

O projeto estabelece que o socorro será temporátio, retroativo ao decreto de emergência em saúde pública e com prazo máximo de 90 dias que poderá ser revertido antes do fim, caso não haja mais restrições relacionadas à pandemia. A Urbs estima que sejam destinados R$ 54 milhões às empresas de ônibus nos três meses em vigor da medida.

Leia mais:  Polícia Civil homenageia profissionais de saúde de Curitiba na luta contra o coronavírus

O presidente da Urbs, Ogeny Pedro Maia Neto, participou da sessão remota, para explicar os detalhes do projeto e defender a iniciativa. Vereadores ligados aos trabalhadores do transporte coletivo defendem a medida alegando que é preciso garantir o pagamento dos salários dos trabalhadores das empresas de ônibus.

Pelo projeto, o dinheiro sairia do fundo anticrise da prefeitura e seria destinado a para cobrir custos administrativos, folha de pagamento, plano de saúde, seguro de vida e cesta básica dos funcionários das empresas e tributos.

De acordo com a liderança do governo na Câmara, os repasses às concessionárias do sistema devem passar de R$ 79 milhões para R$ 38 milhões. O socorro seria temporário, retroativo ao decreto de emergência em saúde pública e com prazo máximo de 90 dias que poderá ser revertido antes do fim, caso não haja mais restrições relacionadas à pandemia.

Vereadores questionam a proposta de Greca, afirmando que o projeto não especifica o critérios para o repasse dos recursos, e defendendo que a prioridade, no momento, deveria ser o repasse de recursos para a saúde e o combate ao coronavírus e aos efeitos da pandemia.

Leia mais:  Com 318 pacientes em UTIs para Covid, taxa de ocupação no SUS chega a 91,38% na RMC

Comentários Facebook

Curitiba

Covid-19: remessa comCovid-19: remessa com 65,5 mil vacinas para crianças chega ao Paraná 65,5 mil vacinas para crianças chega ao Paraná

Publicado

A Sesa (Secretaria de Estado da Saúde do Paraná) recebeu na madrugada desta terça-feira (18) mais 65.500 vacinas da Pfizer/BioNTech para crianças, de 5 a 11 anos, contra a Covid-19.

Esta é a segunda remessa direcionadA Sesa (Secretaria de Estado da Saúde do Paraná) recebeu na madrugada desta terça-feira (18) mais 65.500 vacinas da Pfizer/BioNTech para crianças, de 5 a 11 anos, contra a Covid-19.

Esta é a segunda remessa direcionada ao público infantil e faz parte do 78º Informe Técnico do governo federal. O documento orienta os municípios a vacinarem seguindo a ordem de prioridades, começando pelas crianças com comorbidades e deficiências permanentes.a ao público infantil e faz parte do 78º Informe Técnico do governo federal. O documento orienta os municípios a vacinarem seguindo a ordem de prioridades, começando pelas crianças com comorbidades e deficiências permanentes.

As vacinas destinadas às crianças chegaram ao Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, às 23h10, e nos próximos dias serão distribuídas para as 22 Regionais de Saúde do Paraná.

Leia mais:  Com 318 pacientes em UTIs para Covid, taxa de ocupação no SUS chega a 91,38% na RMC

“Estamos só no começo ainda na vacinação deste novo público. Receberemos e vamos distribuir muitos lotes como este, para que, desta forma, consigamos atingir as mais de 1 milhão de crianças do Estado. Estou confiante de que, assim como foi com os adolescentes, teremos bastante comparecimento aos postos de vacinação”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

A imunização das crianças depende de consentimento dos pais ou responsáveis. Caso eles não estejam presentes no momento da vacinação, é necessário entregar uma autorização por escrito.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana