conecte-se conosco

Curitiba

‘Sociedades secretas’ apoiam mulheres que buscam aborto em Curitiba

Publicado

Bem Paraná-Narley Resende

Uma entidade que afirma não ter fins lucrativos e ser conveniada a parceiros de diversas cidades do País se oferece para prestar auxílio a mulheres que engravidaram e querem abortar. O trabalho, em um primeiro momento, atrai a mulher com a gravidez indesejada por meio de oferta de “apoio”, o que para algumas sugere a possibilidade de orientação a um procedimento “seguro” de aborto. Mas é apenas uma isca. A intenção, segundo integrantes da entidade, é salvar vidas.

Em um dos casos, a primeira das “iscas” para atrair mulheres que pensam em abortar está na identificação de um site. A descrição é utilizada para direcionar pesquisas no Google, por exemplo, com os termos “Cytotec” (remédio indicado para o tratamento de úlcera, mas utilizado para abortos); “como abortar”; e “clínica de aborto”. Com isso, quando a pessoa pesquisa pelos termos no Google é mais provável que seja direcionada ao site. A plataforma, chamada “Gravidez Indesejada”, parece ser a mais estruturada entre outros sites que existem no Brasil. Diz pertencer a uma associação que declara ter “20 anos de experiência em ajudar as mulheres com uma gravidez indesejada”. Em Curitiba, o grupo conveniado trabalha há seis anos, segundo as integrantes. O site nacional promete atendimento “personalizado, sigiloso e gratuito” para que as mulheres grávidas possam “resolver rapidamente e de forma segura os seus problemas”.

Leia mais:  Festas tradicionais animam fim de semana em Curitiba

Em uma de suas seções, o portal responde dúvidas comuns sobre o uso do misoprostol (Cytotec é o nome comercial disponível hoje, da substância que é utilizada em hospitais brasileiros pa ra realização do aborto legal – e que também é usada, ilegalmente para abortos ilegais).

Em um campo, então, o site oferece um chat de contato para que sejam tiradas dúvidas. No chat, uma pessoa pede os dados da interlocutora e diz que alguém de sua cidade ou região entrará em contato por meio do aplicativo Whatsapp.

Outro meio utilizado para atrair mulheres que querem abortar é o “boca-a-boca”. “Quando uma amiga sua pergunta se você sabe de alguém para indicar, você passa o nosso contato. Ela (a mulher) pensa que se trata de um esquema de aborto e nos encontra”, detalhou à reportagem uma “agente da vida”, com se autointitula a integrante do grupo, que se apresenta como “Maria”.

Até chegar a ela, a reportagem precisou recorrer a meios não-convencionais. Questionada por meio de um número de Whatsapp disponível na capa do site, a pessoa que responde diz ser responsável pela “Associação Mulher” afirmou que “não participa de reportagens”.

Leia mais:  Fecha, abre, fecha, abre…o que acontece com Curitiba?

Após a negativa oficial, a reportagem, então, se passou por uma grávida no chat disponível no site. Após um cadastro, o repórter recebeu mensagens de uma pessoa que se identificou como “Jhonatan”. O jornalista se passou pela personagem Bianca, de 25 anos, grávida de 8 semanas.

Comentários Facebook

Curitiba

Defensoria Pública do Paraná emite recomendação aos postos de combustíveis sobre reajuste abusivo

Publicado

O Núcleo de Defesa do Consumidor (NUDECON) da Defensoria Pública do Estado do Paraná (DPE-PR) emitiu, nesta segunda-feira (14), uma Recomendação à entidade que representa os donos de postos de combustíveis do Paraná, o Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis Derivados de Petróleo, Gás Natural, Biocombustíveis e Lojas de Conveniência do Estado do Paraná (Paranapetro).

O objetivo, segundo o Coordenador do Núcleo, Defensor Público Erick Lé Palazzi Ferreira, é coibir o abuso quando a Petrobrás anunciar reajustes. “O que se viu em vários casos na última quinta-feira foi uma prática abusiva, uma elevação injustificada dos preços”, explica o Defensor.

De acordo com ele, a Recomendação pretende barrar a prática de repassar o reajuste com produto comprado por preço velho. “Antes de ter sido repassado o aumento, os postos já estavam aplicando. O que fizeram foi pegar um produto mais barato e colocar o preço exorbitante”.

Segundo a Recomendação, os varejistas de combustíveis devem se abster de aumentar os preços antes da existência real de reajuste das distribuidoras. “Caso haja reclamações e comprovação sobre aumento excessivo de combustíveis pelos postos, o Nudecon adotará as medidas judiciais cabíveis, individuais ou coletivas, para areparação de eventuais danos”, afirma a Recomendação.

Leia mais:  Festas tradicionais animam fim de semana em Curitiba

Na semana passada, a Petrobrás anunciou reajuste dos combustíveis. De acordo com a empresa, o aumento seria de 18,77% para a gasolina, 24,9% para o diesel e 16% para o gás de cozinha.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana