conecte-se conosco

Curitiba

Pra evitar aglomerações, Urbs quer ônibus saindo de terminais com lotação máxima de 50%

Publicado

Após muitas reclamações de passageiros do transporte coletivo de Curitiba e região, que criticavam os perigos de contaminação do coronavírus por causa da lotação dos ônibus da cidade, a Urbs, empresa municipal que gerencia o sistema na capital, implantou uma série de regras para evitar aglomerações no transporte público. A principal mudança acontece em terminais, de onde os ônibus deverão partir apenas com a lotação máxima de 50%, o que deve ser fiscalizado pela Urbs e Guarda Municipal.

A ação está sendo realizada no início da manhã e no fim da tarde, horários de maior movimento, nos terminais do Pinheirinho, Santa Cândida, Cabral, Campo Comprido, Boqueirão e Centenário. A fiscalização ocorre também nos tubos da Rui Barbosa, Carlos Gomes e Estação Central.

Além desta restrição de lotação, foram colocadas marcações no piso das estações-tubo para que os passageiros respeitem a distância mínima de 1,5 metro entre si, além de orientações a importância do uso de máscaras.

Fiscalização

Agentes da Guarda Municipal estão atuando em conjunto com os fiscais da Urbs na orientação dos passageiros. Nos últimos dias, por sinal, a Guarda Municipal já está atuando para evitar aglomerações, como a ação que ocorreu no Parque Barigui, onde motoristas que estavam frequentando o parque tiveram os carros multados como forma de evitar aglomeração. Nos próximos dias, folders explicativos devem ser entregues aos usuários.

Leia mais:  Apartamento explode e pega fogo em Curitiba

Outra medida para tentar evitar aglomerações envolve a Comec, responsável por gerenciar o transporte coletivo na região metropolitana, e a Associação Comercial do Paraná (ACP). Os órgãos foram notificados pela prefeitura para que tomem providências no sentido de evitar aglomerações. O pedido na ACP é para que a entidade reforce a necessidade de um horário alternativo para abertura do comércio: entre 10h e 16h, evitando assim o horário de pico. Já com a Comec o objetivo era evitar que ônibus da mesma linha chegassem juntos a terminais.

“Com isso, estavam ocorrendo casos de três ônibus da mesma linha, chegando ao mesmo tempo nos terminais. Há um desequilíbrio nas linhas metropolitanas que interferem diretamente nas linhas urbanas; isso está sendo corrigido”, explicou Ogeny Pedro Maia, presidente da Urbs. As três entidades discutiram o assunto e as soluções por meio de uma teleconferência.

 

 

Comentários Facebook

Curitiba

Covid-19: remessa comCovid-19: remessa com 65,5 mil vacinas para crianças chega ao Paraná 65,5 mil vacinas para crianças chega ao Paraná

Publicado

A Sesa (Secretaria de Estado da Saúde do Paraná) recebeu na madrugada desta terça-feira (18) mais 65.500 vacinas da Pfizer/BioNTech para crianças, de 5 a 11 anos, contra a Covid-19.

Esta é a segunda remessa direcionadA Sesa (Secretaria de Estado da Saúde do Paraná) recebeu na madrugada desta terça-feira (18) mais 65.500 vacinas da Pfizer/BioNTech para crianças, de 5 a 11 anos, contra a Covid-19.

Esta é a segunda remessa direcionada ao público infantil e faz parte do 78º Informe Técnico do governo federal. O documento orienta os municípios a vacinarem seguindo a ordem de prioridades, começando pelas crianças com comorbidades e deficiências permanentes.a ao público infantil e faz parte do 78º Informe Técnico do governo federal. O documento orienta os municípios a vacinarem seguindo a ordem de prioridades, começando pelas crianças com comorbidades e deficiências permanentes.

As vacinas destinadas às crianças chegaram ao Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, às 23h10, e nos próximos dias serão distribuídas para as 22 Regionais de Saúde do Paraná.

Leia mais:  Deve chover em Curitiba nos próximos dias. Veja quando!

“Estamos só no começo ainda na vacinação deste novo público. Receberemos e vamos distribuir muitos lotes como este, para que, desta forma, consigamos atingir as mais de 1 milhão de crianças do Estado. Estou confiante de que, assim como foi com os adolescentes, teremos bastante comparecimento aos postos de vacinação”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

A imunização das crianças depende de consentimento dos pais ou responsáveis. Caso eles não estejam presentes no momento da vacinação, é necessário entregar uma autorização por escrito.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana