conecte-se conosco

Curitiba

Paraná registra saldo negativo de empregos formais e fecha 23,8 mil vagas em maio

Publicado

O Paraná registrou saldo negativo de empregos com carteira assinada pelo terceiro mês consecutivo, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pelo Ministério da Economia nesta segunda-feira (29). Em maio, 23,8 mil vagas com carteira assinada foram fechadas, no estado.

Desde o início do ano, o Paraná fechou 47.696 postos de trabalho no mercado formal. O saldo do Caged leva em consideração a diferença entre demissões e contratações de trabalhadores em regime da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

A maior queda até então, em 2020, foi registrada em abril, quando o estado perdeu 57 mil vagas com carteira assinada. Veja no gráfico abaixo.

Geração de empregos no Paraná em 2020
Estado encerrou primeiro quadrimestre com saldo negativo
17.91917.91928.83528.835-12.610-12.610-57.984-57.984-23.856-23.856janeirofevereiromarçoabrilmaio-80k-60k-40k-20k020k40k
Fonte: Ministério da Economia

Segundo o Ministério da Economia, 55.823 pessoas foram contratadas em maio. Por outro lado, o estado registrou 79.679 demissões.

Com exceção do Acre, todas as unidades federativas registraram saldo negativo em maio, de acordo com o Caged. Em todo o Brasil, quase 332 mil vagas de trabalho foram fechadas.

Leia mais:  Projeto usa caixas de leite para cobrir frestas em casas de madeira em comunidades de Curitiba

No ranking nacional, o Paraná apresentou o quinto pior desempenho no mês, sendo melhor que Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais.

Setores

Assim como em abril, o setor de Serviços voltou a apresentar o pior resultado entre os setores da economia, com o fechamento de 11.380 postos de trabalho com carteira assinada, no Paraná, segundo o Caged.

Dentro dos Serviços, estabelecimentos da área da alojamento e alimentação sofreram a maior redução de empregos, com o fechamento de 3.754 vagas.

O setor da Construção Civil foi o único com saldo positivo, com 1.489 novos empregos, conforme o Caged. Acompanhe abaixo o desempenho por setor:

  • Serviços: -11.380
  • Indústria: -6.999
  • Comércio: -6.625
  • Agropecuária: -341
  • Construção Civil: +1.489

Cidades

Entre os municípios paranaenses, 105 cidades registraram saldo negativo de vagas, em maio. Em 24, o saldo se manteve estável. No entanto, em 270 municípios houve mais demissões do que contratações.

Os melhores resultados foram registrados em Matelândia, Rio Negro e Ubiratã. Por outro lado, Curitiba, Londrina e São José dos Pinhais tiveram os piores desempenhos, segundo o Ministério da Economia. Confira na lista a seguir:

Leia mais:  Campanha arrecada fundos para ajudar crianças em Curitiba

Cidades que mais geraram empregos formais em maio

  1. Matelândia: 148
  2. Rio Negro: 129
  3. Ubiratã: 104
  4. Palotina: 102
  5. Cafelândia: 99

Cidades que mais fecharam postos de trabalho em maio

  1. Curitiba: -8.088
  2. Londrina: -1.708
  3. São Jose dos Pinhais: -1.620
  4. Maringá: -1.609
  5. Foz do Iguaçu: -1.330

Comentários Facebook

Curitiba

Defensoria Pública do Paraná emite recomendação aos postos de combustíveis sobre reajuste abusivo

Publicado

O Núcleo de Defesa do Consumidor (NUDECON) da Defensoria Pública do Estado do Paraná (DPE-PR) emitiu, nesta segunda-feira (14), uma Recomendação à entidade que representa os donos de postos de combustíveis do Paraná, o Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis Derivados de Petróleo, Gás Natural, Biocombustíveis e Lojas de Conveniência do Estado do Paraná (Paranapetro).

O objetivo, segundo o Coordenador do Núcleo, Defensor Público Erick Lé Palazzi Ferreira, é coibir o abuso quando a Petrobrás anunciar reajustes. “O que se viu em vários casos na última quinta-feira foi uma prática abusiva, uma elevação injustificada dos preços”, explica o Defensor.

De acordo com ele, a Recomendação pretende barrar a prática de repassar o reajuste com produto comprado por preço velho. “Antes de ter sido repassado o aumento, os postos já estavam aplicando. O que fizeram foi pegar um produto mais barato e colocar o preço exorbitante”.

Segundo a Recomendação, os varejistas de combustíveis devem se abster de aumentar os preços antes da existência real de reajuste das distribuidoras. “Caso haja reclamações e comprovação sobre aumento excessivo de combustíveis pelos postos, o Nudecon adotará as medidas judiciais cabíveis, individuais ou coletivas, para areparação de eventuais danos”, afirma a Recomendação.

Leia mais:  Quatro festas juninas para você se esbaldar neste fim de semana em Curitiba

Na semana passada, a Petrobrás anunciou reajuste dos combustíveis. De acordo com a empresa, o aumento seria de 18,77% para a gasolina, 24,9% para o diesel e 16% para o gás de cozinha.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana