conecte-se conosco

Geral

Mulheres com voz por Diretas e por Direitos

Publicado

Levante Popular da Juventude

As mulheres queremos voz. As mulheres exigimos voz. Sofremos uma longa História escrita por homens que nos relegaram ao silêncio e não estamos suportando mais ficar caladas. A voz queima as entranhas quando é sufocada porque a voz não nasceu para ser confinada, amarrada. A voz nasceu para o grito, não para o murmulho.

Queremos falar de política e não encontramos espaço. Estamos sub-representadas num Congresso patriarcal que reproduz uma política patriarcal, numa imprensa hegemônica que com frequência nos enxerga como cotas politicamente corretas em vez de como figuras relevantes a serem escutadas, numa academia ainda masculina que pensa masculinamente. Porque, muitas vezes, nem dentro da própria esquerda, que se diz de nosso lado, temos o lugar que merecemos. Cada espaço conquistado por nós é resultado de uma luta.

Nós, mulheres, queremos ser ouvidas. Queremos nos manifestar contra um presidente e contra um congresso que não nos representam. Queremos falar por nosso direito de voto e escolha. Porque nós, mulheres, somos a maioria da população e temos nossos direitos violados diariamente.

Leia mais:  Valentina Bulc expõe assédio de seguidor: “Machistas não passarão”

Você, minha amiga, minha colega, você desconhecida, você que mora longe ou de meu lado, vai sofrer comigo uma agenda de retrocessos cujo impacto será muito mais negativo para você e para mim pelo fato de sermos mulheres.

Você e eu vamos sofrer com a reforma trabalhista que nos prejudicará especialmente aumentando nossa precariedade e vulnerabilidade. Vamos sofrer com a reforma da Previdência que dificulta a aposentadoria principalmente para as mulheres por conta de uma divisão sexual do trabalho perversa. Vamos sofrer com a PEC 55/2016 que congela os investimentos públicos na saúde, educação e assistência social por 20 anos e comprometerá nosso futuro. Vamos sofrer com a PEC 29/2015 que veta o aborto legal. Estamos sofrendo com as múltiplas formas de violência contra as mulheres e com a cultura cotidiana do estupro. Tantas de nós estão sofrendo com a LGBTfobia. Os filhos de tantas mulheres negras estão sofrendo com o genocídio da juventude negra e periférica.

Queremos gritar contra todos esses sofrimentos.

As violências são sempre piores para nós.

Leia mais:  PM recupera quatro caminhonetes roubadas; juntas somam mais de R$ 500 mil

Por tudo isso, organizações, movimentos, entidades feministas e feministas autônomas, convocamos um grande ato para domingo, dia 11 de junho, das 12.00h às 18.00h no Largo do Arouche com a presença de várias artistas para levantar nossa voz.

Foto: Reprodução do evento no Facebook

Venham conosco! Juntas podemos conquistar o que sozinhas nos é negado.

Somos donas de nossa palavra e vamos lutar por ela.

Não queremos o silêncio de novo.

Esther Solano é Doutora em Ciências Sociais e professora da Universidade Federal de São Paulo. 

Comentários Facebook

Geral

Eleições 2022: Ratinho Junior anuncia primeiras mudanças no secretariado

Publicado

Arquivo/Rodrigo Félix Leal/AEn

O governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), anunciou nesta quarta-feira (12) as primeiras mudanças no secretariado de olho nas Eleições de 2022. As trocas serão efetivadas na próxima segunda-feira (17).

O atual secretário-chefe da Casa Civil, Guto Silva (PSD), deixará o cargo para retomar o mandato como deputado estadual. Ele deve se lançar candidato à reeleição, ou concorrer à Câmara dos Deputados ou Senado Federal.

O posto dele será ocupado pelo atual secretário João Carlos Ortega, que chefiava a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e de Obras Públicas. A pasta agora será conduzida pelo ex-prefeito de Pato Branco Augustinho Zucchi (Podemos).

Outra mudança é na Chefia de Gabinete, que passará a ser conduzida pelo ex-presidente da AMP (Associação dos Municípios do Paraná) Darlan Scalco (PSDB). O atual chefe, Daniel Villas Bôas, assume a Superintendência de Relações Institucionais.

Sem mencionar as Eleições 2022, o governador Ratinho Junior afirmou que o objetivo das mudanças é reforçar o atendimento aos municípios e fortalecer o diálogo com o terceiro setor, o empresariado e com os outros órgãos.

Leia mais:  PM recupera quatro caminhonetes roubadas; juntas somam mais de R$ 500 mil

“Tenho plena confiança em cada pessoa que assume esses cargos. Fizeram excelentes trabalhos em seus postos anteriores”, disse ele, por meio da Agência Estadual de Notícias.

Outras mudanças são esperadas nas próximas semanas. O prazo limite para que os futuros candidatos às Eleições 2022 se afastem de cargos públicos é dia 1º de abril, seis meses antes do pleito.

Na lista de futuros candidatos estão os também secretários estaduais Ney Leprevost (Justiça e Família), Sandro Alex (Infraestrutura e Logística) e Beto Preto (Saúde).

 

 

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana