conecte-se conosco

Política Nacional

Deltan avisa que não irá ao Congresso falar sobre mensagens vazadas

Publicado

Bem Paraná

O procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa Lava Jato no Ministério Público Federal em Curitiba, avisou ao Congresso Nacional por meio de ofício que não irá à audiência para comentar os diálogos vazados entre ele e o ex-juiz Sergio Moro, atual ministro da Justiça e Segurança Pública. O documento é datado do dia 4 de julho.

O procurador seria ouvido nesta terça-feira (9), às 14 horas, pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, que confirmou o cancelamento da audiência.

“Cumprimentando-o, dirijo-me a Vossa Excelência para, respeitosamente, apresentar as razões pelas quais me considero impossibilitado de atender ao convite formulado por essa Digna Comissão. O Congresso Nacional é uma das Instituições mais relevantes em nossa democracia e corresponsável pela definição dos rumos do país, como um dos poderes da República. Como membro do Ministério Público, Instituição essencial à Justiça, tenho por função constitucional desempenhar trabalho de natureza técnica perante o Judiciário, outro poder, situação distinta daquela de agentes públicos vinculados ao Poder Executivo. Esse trabalho técnico consiste em investigar fatos e buscar a aplicação da lei penal de modo eficiente e justo, de acordo com a Constituição e com as leis, atividade funcional sujeita à apreciação do Poder Judiciário”, diz o documento.

Leia mais:  Previdência: proposta de reforma passa na comissão especial e agora vai ao plenário da Câmara

Diante disso, muito embora tenha sincero respeito e profundo apreço pelo papel do Congresso Nacional nos debates de natureza política que realiza e agradeça o convite para neles participar, acredito ser importante concentrar na esfera técnica minhas manifestações sobre mensagens de origem criminosa, cuja veracidade e autenticidade não reconhecemos, e que vêm sendo usadas para atacar a Operação Lava Jato”, pontua Deltan no ofíco.

Comentários Facebook

Política Nacional

Celular do presidente Jair Bolsonaro também foi alvo de invasão por hackers

Publicado

O grupo hacker preso na terça-feira, 23, atacou celulares do presidente da República, Jair Bolsonaro. A informação foi transmitida pela Polícia Federal ao Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) e já foi encaminhada ao presidente. Quatro pessoas presas sob suspeita de invasão de celular de autoridades estão custodiadas em Brasília.

Na nota, o Ministério da Justiça diz que, segundo a PF, “aparelhos celulares utilizados pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, foram alvos de ataques pelo grupo de hackers preso na última terça feira (23)”.

“Por questão de segurança nacional, o fato foi devidamente comunicado ao presidente da República”, acrescenta a nota – que não informa se foi extraído conteúdo de conversas de aparelhos do presidente Jair Bolsonaro.

Leia a íntegra da nota:

“O Ministério da Justiça e Segurança Pública foi, por questão de segurança nacional, informado pela Polícia Federal de que aparelhos celulares utilizados pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, foram alvos de ataques pelo grupo de hackers preso na última terça feira (23). Por questão de segurança nacional, o fato foi devidamente comunicado ao presidente da República”.

Leia mais:  Em meio a polêmicas e vazamentos, Moro tira licença pra ‘tratar de assuntos particulares’

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana