conecte-se conosco

Curitiba

Cesta básica em Curitiba fica mais barata em julho, diz Dieese

Publicado

A cesta básica em Curitiba custou R$ 443,68 em julho, de acordo com o levantamento mensal do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) divulgado nesta terça-feira (6).

A pesquisa revelou que o preço da cesta básica caiu 0,64%, se comparado a junho, quando o valor foi de R$ 446,54.

Ainda conforme o Dieese, dos 13 produtos pesquisados, sete tiveram queda no preço entre os dois meses. As maiores reduções foram no valor dos seguintes itens:

  • Banana (-5,68%);
  • Tomate (-1,38%);
  • Batata (-1,13%);
  • Leite (-0,29%);
  • Óleo de soja (-0,25%);
  • Carne (-0,21%);
  • Feijão preto (-0,18%).
  • Por outro lado, seis itens registraram aumento:

    • Café (3,08%);
    • Manteiga (0,95%);
    • Farinha de trigo (0,50%);
    • Açúcar (0,45%);
    • Arroz (0,41%);
    • Pão (0,10%).

    O levantamento foi realizado em 17 capitais do país e Curitiba teve o sétimo maior valor entre as capitais pesquisadas.

    Conforme o Dieese, o custo da cesta básica mensal para uma família, composta por um casal e duas crianças, ficou em R$ R$ 1.331,04.

Comentários Facebook
Leia mais:  Greca assina decreto que limita o uso de produtos inflamáveis na impermeabilização de móveis

Curitiba

Crise de abastecimento de remédios chega aos postos de saúde no Paraná

Publicado

A crise de abastecimento de remédio não só continua nas farmácias como já afeta os postos de saúde gerenciados pelas Prefeituras dos municípios do Paraná. Um ofício publicado no dia 22 de junho pelo Consórcio Paraná Saúde, que atua na aquisição de medicamentos para 398 municípios paranaenses, alertou sobre os medicamentos que estarão em falta para os próximos lotes de abastecimento.

Entre os remédios que podem faltar estão alguns essenciais para o tratamento de síndromes respiratórias, como Amoxilina + Clavunalato e Dipirona. Em pelo menos cinco prefeituras, também há falta de Tamiflu, antiviral para pacientes com complicações do vírus Influenza.

Segundo o consórcio, o problema se agravou nas últimas semanas, devido ao avanço da pandemia de coronavírus, ao aumento dos casos de doenças respiratórias em crianças, ao cenário de epidemias de dengue em várias regiões do Estado, e ainda pela falta de princípios ativos para a produção de diversos medicamentos.

Os remédios em falta, segundo o Consórcio Paraná Saúde, são: Amoxicilina + Clavulanato (50 + 12,5 mg/ml – suspensão oral), Dipirona Sódica – comprimido, Dipirona Sódica – solução injetável, Gentamicina 5 mg/ml – solução oftálmica e Hipromelose – 5 mg/ml – solução oftálmica.

Leia mais:  Baladas e blitze de Curitiba terão testes com drogômetro que detecta oito tipos de drogas

Os medicamentos em falta fazem parte do Componente Básico da Assistência Farmacêutica (CBAF), cuja responsabilidade pela aquisição é das Secretarias Municipais de Saúde para posterior dispensação no nível ambulatorial por meio das Unidades Básicas de Saúde e abastecimento das Unidades de Pronto Atendimento.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana