conecte-se conosco

Curitiba

Após rompimento de um oleoduto, abastecimento de água volta a ser realizado em Fazenda Rio Grande

Publicado

Após rompimento de um oleoduto na sexta-feira (15), o abastecimento de água em Fazenda Rio Grande, na Região Metropolitana de Curitiba, foi retomado.

De acordo com a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), a previsão é de que a normalização do abastecimento ocorra gradualmente ao longo desta segunda-feira (18).

Por causa do rompimento, metade dos moradores de Fazenda Rio Grande ficou sem água.

A Sanepar informou que técnicos da companhia acompanharam os trabalhos de limpeza das equipes da Transpetro, do Instituto de Água e Terra (IAT), da Defesa Civil e da Prefeitura Municipal de Fazenda Rio Grande no sábado (16) e no domingo (17).

O rompimento

O rompimento foi na rede de oleoduto da Petrobras em São José dos Pinhais, também na Região Metropolitana da capital paranaense, depois de uma tentativa de furto.

O rompimento ocorreu em uma chácara, na Colônia Marcelino.

O proprietário informou que o local conta com cinco nascentes de rio e mata nativa. Ele disse que vários animais, como peixes, pássaros, galinhas e patos, foram encontrados mortos.

Leia mais:  Violência no bairro CIC assusta moradores: três crimes desde sexta-feira

Volta do abastecimento

A operação de captação de água que abastece parte da população de Fazenda Rio Grande voltou na tarde de domingo, depois de a Sanepar receber autorização do Instituto Água e Terra do Paraná (IAT).

Análises foram feitas, conforme a Sanepar, na água do rio logo abaixo do ponto do rompimento.

Monitoramento e análises serão realizados nos próximos dias para garantir a qualidade da água, ainda segundo a Sanepar.

Estiagem

Essa situação aconteceu em meio à crise hídrica que o Paraná tem enfrentado.

A estiagem já completou dez meses e, por isso, rodízios de água estão sendo feitos em Curitiba e Região

Comentários Facebook

Curitiba

Jovem que estava desaparecida foi assassinada em Curitiba

Publicado

Desaparecida desde outubro deste ano, a jovem Ana Carla Dalacosta de Menezes foi encontrada morta em Curitiba. O corpo já havia sido localizado na manhã do dia 10 do mês passado, mas só nesta sexta-feira (19) foi identificado.

Ana era moradora de Rolândia e foi considerada desaparecida após sair de casa informando que iria atrás de um emprego em Maringá. Alguns dias depois, ela teria sido vista em Apucarana.

No entanto, Ana viajou para Curitiba e foi brutalmente assassinada na capital paranaense. O corpo foi localizado em chamas às margens do Rio Belém, na Rua Sérgio Venci, por moradores da região. A Guarda Municipal foi chamada e controlou o fogo.

A Polícia Científica realizou a perícia e contratou que ela pode ter sido morta asfixiada, antes de atearem fogo no corpo.

Nos últimos dias, o pai da vítima divulgou nas redes sociais sobre o seu desaparecimento, pois estranhou que ela estava há muitos dias sem se comunicar com a família. Ao descobrir que havia um corpo no Instituto Médico Legal (IML), de Curitiba, que batia com as características de Ana Carla, familiares foram até a capital e com um exame de arcada dentária, conseguiram confirmar que se tratava dela. A família também reconheceu as roupas que ela usava.

Leia mais:  Vítimas de explosão em apartamento de Curitiba passam por cirurgia

A Divisão de Homicídios segue com a investigação para tentar identificar o autor ou autores do crime. A motivação do crime ainda é desconhecida.

O corpo de Ana Carla após ser liberado, deverá ser encaminhado para Rolândia onde acontecerá o enterro.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana