conecte-se conosco

OESTE E SUDOESTE

Após decreto estadual, prefeitos de Cascavel e Toledo dizem que recorrerão da determinação

Publicado

Os prefeitos de Cascavel e Toledo, no oeste do Paraná, informaram que irão recorrer sobre as determinações dodecreto estadual que suspende, a partir desta quarta-feira (1º), as atividades não essenciais nas duas cidades.

De acordo com o prefeito de Cascavel, Leonaldo Paranhos (PSC), o município está cumprindo o decreto, mas informou que a procuradoria-geral apresentará um parecer ao governo estadual na quinta-feira (2), pedindo que a cidade fique fora do decreto.

“Vamos cumprir, mas vamos, ainda nesta semana, recorrer junto à secretaria de estado, com todos os números que temos, mostrando que Cascavel tem feito o seu papel.”

Lojistas de Toledo abriram o comércio nesta quarta-feira após ficarem 10 dias fechados. Na terça, a prefeitura anunciou a reabertura dos estabelecimentos comerciais, inclusive, das academias, com horário reduzido.

Entretanto, cerca de quatro horas depois do anúncio do decreto municipal, que retomava essas atividades, o decreto do governo do Paraná determinou o fechamento novamente.

Leia mais:  Câmara de Bandeirantes devolve mais de R$ 1 milhão ao Executivo

Conforme o prefeito de Toledo, Lúcio de Marchi (PP), o município não fechará o comércio e, até o final desta quarta-feira, irá recorrer da decisão do estado.

“Nós fizemos o dever de casa de fechar. Foi um prejuízo muito grande para o comércio e eu não posso deixar o comércio fechado mais 15 ou 20 dias. Até porque o comerciante sabe dos protocolos de segurança e tenho certeza de que vai cuidar muito bem para que não haja qualquer problemas.”

Atividades não essenciais não funcionaram nesta quarta-feira (1º), em Cascavel — Foto: Prefeitura de Cascavel / Divulgação

Atividades não essenciais não funcionaram nesta quarta-feira (1º), em Cascavel — Foto: Prefeitura de Cascavel / Divulgação

Cascavel

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, nesta quarta-feira, Cascavel registrou 3.146 casos do novo coronavírus e 52 mortes pela Covid-19. A cidade é a 2ª do Paraná com o maior número de casos.

O secretário de saúde de Cascavel, Thiago Daross Stefanello, disse que é a favor do período de quarentena previsto no decreto estadual.

“Nós compartilhamos da necessidade, da ideia do equilíbrio que deve haver entre saúde e economia, mas nesse momento temos um decreto do governo do estado em vigor e, até que isso seja revogado ou até que uma nova norma seja implementada, nós devemos obedecer e cumprir esse decreto”, explicou.

Leia mais:  PRF apreende 1 tonelada de maconha escondida em milho no Paraná

Pesquisadores da Universidade do Oeste do Paraná (Unioeste), que estudam o avanço da doença na região e calculam a projeção de dados para os próximos meses, explicam que a situação de Cascavel é ruim devido ao baixo índice de isolamento social.

“Nós temos o comportamento da população como se não houvesse a pandemia”, disse o pesquisador Aparecido Nivaldo Módenes.

Toledo

Conforme a Secretaria de Saúde de Toledo, até terça-feira, foram confirmados 1.280 casos do novo cornavírus no município e 16 mortes pela Covid-19.

Alguns comerciantes relataram nesta quarta como um período de incertezas sobre o comércio.

“Pelo menos hoje a gente abriu. Amanhã a gente não sabe”, disse a comerciante Bruna Ribeiro.

Comércio de Toledo funcionou nesta quarta-feira, mesmo após decreto estadual  — Foto: Gisele Pimenta/FramePhoto/Estadão Conteúdo

Comércio de Toledo funcionou nesta quarta-feira, mesmo após o decreto estadual

Comentários Facebook

OESTE E SUDOESTE

Torneio avalia qualidade da silagem de milho e incentiva melhorias no sistema de produção

Publicado

O clima teve uma influência direta sobre a qualidade das silagens de milho produzidas na região de Pato Branco, no Sudoeste, neste ano. No entanto, alguns produtores driblaram essas dificuldades e conseguiram obter uma silagem de alta qualidade, reduzindo os custos com a alimentação dos animais.

Essas foram algumas observações dos servidores do IDR-Paraná (Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná) a partir do Terceiro Torneio de Silagem de Chopinzinho, cujo resultado foi divulgado na última semana. O evento foi realizado presencialmente e transmitido ao vivo.

A competição selecionou os dez produtores que obtiveram silagem de melhor qualidade na região. Foram analisadas 167 amostras, de 15 municípios, além de alguns materiais de Guarapuava e Pinhão, que não entraram no torneio.

As amostras passaram por análises para determinar o tamanho das partículas, a composição química e o valor nutricional do alimento. Além disso, a densidade e temperatura do silo também foram observadas, já que são fatores que determinam se a silagem pode ser oferecida com segurança aos animais.

Os dez primeiros colocados no torneio foram Valdecir Melo (Saudade do Iguaçu), Ivanete Machado (Bom Sucesso do Sul), Sidnei Remor (Chopinzinho), Irno Rosaneli (Vitorino), Marizete Rahrs (Bom Sucesso do Sul), João Denardin (Mangueirinha), Sérgio Onesco (Bom Sucesso do Sul), Cesar Santin, Disué Vottri e Douglas Donatti (Vitorino). Os primeiros cinco colocados ganharam prêmios em dinheiro e a partir do sexto lugar receberam um troféu.

De acordo com os servidores, neste ano a estiagem no início do período de crescimento do milho e o excesso de chuva na hora de colher o cereal acabou atrasando o plantio da safrinha de milho.

Leia mais:  Homens invadem cadeia de Medianeira pelo telhado, cortam cadeados, e soltam 34 presos, diz diretor

“Com isso os produtores tiveram que fazer o corte do milho para silagem mais cedo, com o milho mais verde, antes do ponto de maturação. O milho estava mais úmido e resultou numa silagem com pouca concentração de grãos e menor valor energético”, explicou o zootecnista Guilherme Koerick, do IDR-Paraná de Chopinzinho.

TAMANHO NÃO É DOCUMENTO  O zootecnista ressalta que o tamanho da propriedade não foi um fator preponderante para os bons resultados dos vencedores. Segundo ele, a área das propriedades entre os dez primeiros colocados variou de 1,8 hectare a 32 hectares.

“São produtores que usaram mais adubo, orgânico e químico, que a média da região. Eles também terceirizaram o corte da silagem. Optaram pela profissionalização dessa etapa do trabalho”, disse Koerick.

Foi possível verificar que um entre cada três produtores que participaram do torneio não fez a compactação adequada da silagem. “Essa baixa densidade leva a perdas pela presença de muito oxigênio no material”, informou Koerick.

Ele acrescentou que melhorar a compactação do silo pode evitar que a silagem estrague e o produtor tenha perdas. Na região a média de compactação é de 568 kg/metro cúbico, enquanto entre os dez primeiros colocados do torneio a média ficou em 639 kg/metro cúbico.

Outro ponto importante é que 62% dos produtores fazem um bom processamento dos grãos. Os outros 38% precisam executar alguns ajustes, já que o milho inteiro tem menor aproveitamento pelos animais, segundo os extensionistas.

Leia mais:  Quase 400 mil pessoas passaram pela Expobel

ORIENTAÇÃO  De acordo com Lucas Fernando Oliveira dos Santos, do IDR-Paraná de Palmas, o torneio tem vários objetivos, mas ele destaca o caráter educativo da competição. “Procuramos avaliar a qualidade da silagem, dar um feedback para o produtor em termos nutricionais e orientá-lo para que tenha uma silagem de mais qualidade, diminuindo perdas e tendo um melhor aproveitamento”, afirmou Santos.

O Terceiro Torneio de Silagem de Chopinzinho foi realizado pelo IDR-Paraná em parceria com a Palmas Leite, Sicredi, Cooperativa de Leite da Agricultura Familiar (CLAF), Lallemand, Cresol, Codepar, Silagem Mangueirinha, Panorama Leilões, prefeituras de Saudades do Iguaçu e de Chopinzinho.

PROJETO – O projeto Qualidade da Silagem é uma das frentes de trabalho dos extensionistas, já que a conservação de volumosos é uma estratégia para oferecer alimento aos rebanhos de gado de corte e leite ao longo do ano.

A silagem está presente em quase todas as propriedades da região Sul do Brasil. Porém, os técnicos afirmam ainda que o alimento apresenta variações na sua composição em função do híbrido de milho cultivado, dos manejos culturais e procedimentos durante o processo de ensilagem.

Os extensionistas lembram que o conhecimento da composição bromatológica da silagem de milho utilizada na alimentação do rebanho é fundamental para o correto ajuste da dieta no dia a dia, evitando desperdícios na propriedade.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana