conecte-se conosco

Política

Servidores rejeitam suspender greve e mantêm impasse

Publicado

Bem Paraná

O Fórum das Entidades Sindicais (FES/PR) rejeitou nesta quarta-feira (26) a proposta do governo do Estado de suspensão temporário da greve por uma semana para a retomada das negociações com os servidores públicos. Diante da decisão, o governo manteve a posição de não reabrir o diálogo com a categoria, enquanto a paralisação iniciada na última terça-feira (25) continuar. Os servidores alegam que enquanto não houver uma proposta do governo sobre o reajuste de 4,94% relativo à inflação dos últimos doze meses, a greve deve prosseguir.

No período da manhã, a Secretaria de Estado da Educação registrou adesão total à paralisação em 1,2% das 2.143 escolas estaduais e adesão parcial à paralisação em 31% das 2.143 escolas estaduais. A Pasta reafirmou que a adesão parcial considera a ausência de professores e demais servidores administrativos e não significa que os alunos ficaram sem atendimento.

Os sindicatos, porém, divergem dos números oficiais, apontando que 60% dos servidores do Estado estariam de braços cruzados. E segundo a APP-Sindicato, 85% das escolas teriam sido afetadas, total ou parcialmente pela greve.

Leia mais:  Entidade deve restituir R$ 47 mil ao Estado por irregularidades em convênio

A coordenação do FES alegou ontem que recebeu no início da noite de terça-feira a informação de que o governador Ratinho Junior (PSD) teria cancelado de uma reunião que estava marcada para ontem com o comando da greve dos servidores. O governo, porém, negou que a reunião tivesse sido agendada.

Nesta quarta, um grupo de servidores promoveu uma manifestação em frente à Secretaria de Estado da Fazenda, em Curitiba. Outro grupo permaneceu acampado em frente ao Palácio Iguaçu, no Centro Cívico. Uma nova manifestação no local está marcada para a próxima terça-feira.

Sem conversa
O líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Hussein Bakri (PSD), reafirmou que a disposição do Executivo é não voltar a negociar enquanto houver paralisação. “O governo não vai conversar com greve”, disse Bakri.

A data-base do reajuste anual dos servidores vence em maio. Os funcionários do Executivo que estão com os salários congelados desde 2016 acumulam perdas de 17%. Inicialmente, o governo sinalizou que não haveria nenhum reajuste, alegando que os gastos com pessoal já estão no limite da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Após os protestos da categoria no dia 29 de abril, o Executivo concordou em montar uma comissão com representantes dos sindicatos e parlamentares para discutir o assunto. Após oito rodadas, porém, as negociações não avançaram.

Leia mais:  Ratinho Jr reúne base aliada e recebe policiais para tratar de reajuste dos servidores

Na semana passada, o governador afirmou que o governo não tem dinheiro para conceder o reajuste. Na segunda-feira, após manifestação de policiais civis, que fizeram carreata até o Palácio Iguaçu com viaturas oficiais em mau estado de conservação, o governo pediu a suspensão da greve por uma semana, para apresentar uma proposta ao funcionalismo. Os policiais então, que haviam anunciado “operação padrão” nas delegacias em apoio ao movimento grevista, decidiram suspender a mobilização, à espera da proposta. As demais categorias, porém, decidiram manter a paralisação, pelo menos até uma nova avaliação do comando de greve.

Comentários Facebook

Política

Eleitores têm até 6 de maio para procurar cartório e regularizar situação eleitoral

Publicado

Para votar nas Eleições Municipais de 2020, os eleitores devem estar atentos ao prazo de 6 de maio, que é o último dia para regularizar a situação na Justiça Eleitoral. A partir do dia 7 de maio até o final da eleição, o Cadastro Eleitoral ficará fechado – período em que nenhuma alteração poderá ser efetuada no registro do eleitor –, sendo permitida somente a emissão da segunda via do título. Esse prazo é importante para que a Justiça Eleitoral tenha um retrato fiel do eleitorado que participará do pleito.
Diversos serviços podem ser solicitados diretamente nos cartórios eleitorais, sem a necessidade de intermediação de terceiros. São eles: emissão do título de eleitor, transferência de domicílio eleitoral, revisão dos dados e cadastramento biométrico, entre outros. Todos esses serviços são gratuitos.

Dia 6 de maio também é a data-limite para o cidadão procurar o cartório para pedir a mudança de domicílio eleitoral e regularizar sua situação, estando apto a exercer o direito de voto.

É possível verificar a regularidade do título acessando o Portal do TSE. Basta clicar em Serviços ao Eleitor e, depois, em Situação Eleitoral. As informações necessárias são nome completo e data de nascimento.

Leia mais:  Entidade deve restituir R$ 47 mil ao Estado por irregularidades em convênio

Fonte: Blog Politica em Debate

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana