conecte-se conosco

Brasil

Preço de suíno vivo sobe mais de 30% em várias praças no ano, diz Cepea

Publicado

O ano de 2019 foi de recuperação para o setor de suínos no Brasil, aponta relatório do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq-USP) divulgado nesta quinta-feira e antecipado ao Broadcast Agro. Segundo o centro de estudos, os preços subiram com força no mercado interno neste ano, atingindo recordes nominais. “Em todas as regiões acompanhadas pelo Cepea, as altas anuais superaram os 30%.”

O principal fator a impulsionar os preços foi a forte demanda externa, que ocorreu durante praticamente 2019 inteiro, por causa do surto de peste suína africana (PSA) na Ásia, sobretudo na China. Além disso, o mercado interno também reagiu no fim do ano. “O aquecimento da procura brasileira reforçou o avanço nos preços domésticos.” Atacadistas em busca de ampliar estoques para o fim do ano, além do preço recorde da carne bovina, levou a uma maior procura pela proteína suína. “Assim, na maior parte do ano, a oferta de suíno vivo em peso ideal para abate esteve inferior à elevada procura por parte de grandes agroindústrias.”

Leia mais:  De cada dez atendimentos por acidente no SUS, oito são motociclistas

Diante desse cenário, os valores nominais de todas as regiões acompanhadas atingiram recordes, considerando-se a série do Cepea, iniciada em março de 2002. Na praça de SP-5 (Bragança Paulista, Campinas, Piracicaba, São Paulo e Sorocaba), de janeiro a 23 de dezembro de 2019, o quilo do animal vivo teve média de R$ 4,75, alta de 35,6% frente a 2018.

No mercado da carne, o ano também foi marcado pela demanda aquecida e as cotações acompanharam a movimentação do vivo. A carcaça especial, negociada no atacado da Grande São Paulo, registra média de R$ 7,17/kg na parcial deste ano, alta de 29,2% na comparação com a de 2018, e a maior já registrada, em termos nominais, considerando-se toda a série histórica do Cepea para este produto, iniciada em 2004. Dentre os cortes, os que registraram as maiores valorizações de 2018 para 2019 foram a paleta desossada (31,6%), pernil com osso (29,9%) e lombo (22,4%).

Comentários Facebook

Brasil

Covid-19: impactos da pandemia fecham as portas de 716 mil empresas, diz IBGE

Publicado

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) informou nesta quinta (16) que 1,3 milhão de empresas brasileiras estavam com atividades encerradas temporária ou definitivamente na primeira semana de junho. Dentre elas, 716 mil não abrirão mais as portas.
Os dados fazem parte da primeira edição da pesquisa Pulso Empresa: Impacto da Covid-19 nas empresas, lançada pelo instituto na semana passada. A pesquisa detectou também que apenas um terço das empresas brasileiras demitiu e só 13% tiveram acesso ao auxílio federal para pagar empregados.

Entre as empresas que encerraram as atividades, mesmo que temporariamente, 40% delas disseram ter tomado a decisão por causa da pandemia do novo coronavírus. O impacto foi disseminado em todos os setores da economia, chegando a 40,9% entre as empresas do comércio, 39,4% dos serviços, 37,0% da construção e 35,1% da indústria.

Entre as empresas que encerraram definitivamente suas atividades, 99,8% (ou 715,1 mil) eram de pequeno porte. Apenas 0,2% (1,2 mil) eram consideradas intermediárias e nenhuma era de grande porte, disse o instituto.

Leia mais:  Desemprego de longo prazo cresce 188% no Paraná

No grupo das 2,7 milhões de empresas que permaneceram em atividade, 70% relataram que a pandemia teve impacto geral negativo sobre os negócios. Para 13,6%, por outro lado, a pandemia trouxe oportunidades e que teve um efeito positivo sobre a empresa.

No setor de serviços, 74,4% das empresas disseram ter sentido efeitos negativos, o maior índice entre os segmentos pesquisados. Na indústria, foram 72,9%, na construção 72,6% e no comércio, 65,3%.

Os dados sinalizam que a Covid-19 impactou mais fortemente segmentos que, para a realização de suas atividades, não podem prescindir do contato pessoal, têm baixa produtividade e são intensivos em trabalho”, disse Alessandro Pinheiro, Coordenador de Pesquisas Estruturais e Especiais em Empresas do IBGE.

Para 63,7% das empresas ainda em atividade ouvidas pelo IBGE, houve dificuldades em realizar pagamentos de rotina em relação ao período anterior a pandemia. Cerca 60% delas mantiveram o número de funcionários na primeira quinzena de junho em relação ao início da pandemia. Dentre as que reduziram o número de pessoal ocupado, 37,6% reportaram uma redução inferior a 25% do pessoal e 32,4% uma redução entre 26% e 50% do número de pessoal ocupado.

Leia mais:  Bovespa opera em queda nesta sexta

Segundo o IBGE, 12,7% das empresas relataram ter conseguido uma linha de crédito emergencial para realizar o pagamento da folha salarial dos funcionários. Outras 44,5% empresas afirmaram ter adiado o pagamento de impostos.

 

 

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana