conecte-se conosco

Economia

Parceria visa aumentar emprego e renda em cidades com baixo IDH

Publicado

MassaNews
Vários órgãos do Governo do Estado se reuniram nesta quarta-feira (12) para iniciar as discussões de parceria voltada à geração de emprego e renda no Paraná. As conversas aconteceram na agência paranaense do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE).

“O objetivo é criar um programa de desenvolvimento que invista em municípios com baixo IDH, que impacte na economia local e introduza novas tecnologias às empresas e ao campo”, disse o diretor de Operações do BRDE, Wilson Bley Lipski.

A proposta consiste em uma linha de financiamento, com recursos do BRDE e da Fomento Paraná, que apoie a inovação e sustentabilidade na agricultura e o desenvolvimento tecnológico em micro, pequenas e médias empresas inovadoras. O setor turístico e as cooperativas também podem ser fomentados.

“A ideia traz muitas vantagens ao desenvolvimento do Paraná e vem ao encontro do planejamento para a área da agricultura. Nosso próximo desafio é transformar esta ideia em algo prático”, disse Norberto Ortigara, secretário da Agricultura e Abastecimento do Paraná.

Leia mais:  Empresas de uma só pessoa crescem 1.340% e preocupam

A iniciativa será desenvolvida em conjunto e cada órgão deve ser responsável por uma área do projeto. O secretário de Estado do Planejamento e Projetos Estruturantes, Valdemar Bernardo Jorge, é quem vai liderar o processo, discutindo as melhores maneiras de pôr a ideia em prática.

O secretário de Estado da Fazenda, Renê Garcia Júnior, também participou e apresentou dados da longevidade das empresas no Paraná. Um dos objetivos da proposta que está sendo discutida é consolidar no mercado os empreendimentos que serão apoiados, resultando em um maior tempo de vida. Os detalhes técnicos desta parceria devem ser ajustados na próxima terça-feira (18), em outra reunião na Agência Paraná do BRDE.

Colaboração AEN

Comentários Facebook

Economia

Caixa reduz juros e anuncia R$ 33 bi em estímulos para economia

Publicado

A Caixa Econômica Federal reforçou, em R$ 33 bilhões, as linhas de crédito para enfrentar a crise provocada pelo coronavírus. O dinheiro se somará aos R$ 78 bilhões anunciados na semana passada, o que totalizará R$ 111 bilhões em recursos injetados.

Os R$ 33 bilhões adicionais serão destinados a linhas de capital de giro para empresas, que ganharam reforço de R$ 20 bilhões; para a compra de carteiras (R$ 10 bilhões); para o crédito a Santas Casas (R$ 2 bilhões) e para o crédito agrícola (R$ 1 bilhão).

A Caixa também cortou as taxas de juros do cheque especial para pessoa física, do parcelamento da fatura do cartão de crédito, de capital de giro, de empréstimos para hospitais, para o Crédito Direto ao Consumidor (CDC) e para o penhor. Os juros reduzidos entrarão em vigor em 1º de abril para o cheque especial e o cartão de crédito. Para os demais produtos, as taxas já estão em vigor.

Os juros do cheque especial passaram de 4,95% para 2,90% ao mês. As taxas do parcelamento da fatura do cartão caíram de 7,7% ao mês (em média) para juros a partir de 2,90% ao mês. Para o capital de giro, as taxas máximas passaram de 2,76% para 1,51% ao mês. As taxas do CDC caíram de 2,29% para 2,17% ao mês. Os juros do penhor foram cortados de 2,1% para 1,99% ao mês. Nas linhas de crédito para hospitais, as taxas passaram de 0,96% para 0,8% ao mês

Leia mais:  Cesta básica de Curitiba cai em junho, mas mantém alta no ano

O período em que o cliente pode ficar sem pagar as parcelas passou de 60 para 90 dias. A medida abrange o crédito a pessoas físicas, a pessoas jurídicas, a hospitais e o crédito habitacional para pessoas físicas e empresas.

Estados e municípios

O banco reforçou o volume de empréstimos para estados e municípios. A medida abrange os financiamentos com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e o Financiamento à Infraestrutura e Saneamento Ambiental (Finisa). De 2 a 17 de março, a Caixa empestou R$ 3,35 bilhões a governos locais, em 246 operações com 195 tomadores. Ainda estão em estudo outras 324 operações, no total de R$ 1,81 bilhão.

Conforme a Medida Provisória 927, o banco suspendeu o recolhimento do FGTS pelos empregadores em março, abril e maio. Quem não recolher pode parcelar o valor em até seis vezes, tendo o certificado de regularidade do FGTS prorrogado por 90 dias. O empregador que precisar suspender o pagamento precisará declarar as informações dos trabalhadores no aplicativo Sefip.

Micro e pequenas empresas

A Caixa anunciou uma linha de capital de giro para manutenção da folha de pagamento das micro e pequenas empresas. O valor não foi divulgado. O banco firmou parcerias para ampliação de linhas de crédito e para o suporte a pequenos negócios por meio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). A antecipação de recebíveis, quando o comerciante recebe adiantado o valor de compras com cartão de crédito, terá taxas reduzidas.

Leia mais:  Segurança Privada perde 10 mil vagas no Paraná em cinco anos

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana