conecte-se conosco

Cidades

MP-PR diz que imagens comprovam que Manvailer cometeu o crime de cárcere privado contra Tatiane Spitzner

Publicado

G1 PR

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) apresentou as razões de apelação sobre o recurso contra a absolvição de Luís Felipe Manvailer, réu pela morte da advogada Tatiane Spitzner, pelo crime de cárcere privado, nesta segunda-feira (24).

Conforme os promotores, há vasta prova da existência do crime, especialmente à vista das imagens colhidas pelo sistema de monitoramento do edifício em que réu e vítima residiam. Manvailer está preso desde julho do ano passado na Penitenciária Industrial de Guarapuava (PIG).

“Ora, mais que demonstrado ficou que houve vários atos da vítima Tatiane, todos destinados a fugir, que foram cerceados e impedidos por Luis Felipe”, destacaram os promotores.

No dia 17 de maio, a Justiça definiu que Manvailer vá ao Tribunal do Júri pelos crimes de homicídio qualificado e fraude processual. A absolvição por cárcere privado foi determinada na mesma decisão, pela juíza Paôla Gonçalves Mancini de Lima, da Comarca de Guarapuava, na região central do Paraná.

Segundo a decisão da Justiça, Manvailer não cometeu o crime de cárcere privado pois as imagens de câmera de segurança mostram que “não houve intenção de cerceamento da liberdade de locomoção de Tatiane, […] mas sim intenção de reter a vítima por pouco tempo e contra sua vontade para que subisse ao apartamento”.

Leia mais:  Prefeitura pretende fazer faixa exclusiva para ônibus no calçadão de Ponta Grossa

Os promotores afirmam que um dos fatos pra que ele seja condenado também por cárcere privado é o de que “Luís Felipe Manvailer impediu, mediante violência, que a ofendida se afastasse dele, por pelo menos três vezes, situação essa que perdurou por cerca de dezenove minutos, impedindo-a de deixar a garagem do edifício quando esta tentava fugir, constrangendo-a a permanecer dentro do elevador e a ingressar no apartamento em que residiam, mediante atos de violência física, restringindo assim a sua liberdade de locomoção”.

“Verifica-se, portanto, pelas imagens ora colacionadas que o crime de cárcere privado existiu, eis que a vítima teve sua liberdade restringida por período de tempo relevante, tendo sido impedida de deixar a companhia do acusado por diversas vezes, havendo uma sequência de fatos, o que fazia com a intenção de salvar sua própria vida”, argumentaram os promotores.

Luis Felipe Manvailer está preso desde julho do ano passado na Penitenciária Industrial de Guarapuava — Foto: Reprodução/RPC

Luis Felipe Manvailer está preso desde julho do ano passado na Penitenciária Industrial de Guarapuava — Foto: Reprodução/RPC

O crime

A advogada Tatiane Spitzner tinha 29 anos e foi encontrada mortana madrugada do dia 22 de julho do ano passado, após queda do 4º andar de um prédio no Centro de Guarapuava, na região central do Paraná, segundo a Polícia Militar (PM).

Leia mais:  Homem é encontrado amarrado e morto dentro de casa, em Ponta Grossa

Luís Felipe Manvailer está preso desde a manhã do mesmo dia da morte, após sofrer um acidente na rodovia BR-277, em São Miguel do Iguaçu, a 340 km de Guarapuava, conforme a polícia.

O laudo do exame de necropsia do Instituto Médico-Legal (IML) confirmou que a morte de Tatiane Spitzner foi por asfixia mecânica, causada por esganadura e com sinais de crueldade.

Manvailer é professor universitário de biologia e era casado com Tatiane desde 2013. O casal não tinha filhos.

Comentários Facebook

Cidades

Prefeito evangélico é alvo de macumba em Mato Grosso

Publicado

O prefeito Jeferson Ferreira Gomes (DEM), de Comodoro, extremo oeste de MT, que é evangélico, foi surpreendido por um “despacho espiritural” no cemitério da cidade. A informação é do site Olhar Direto.

Segundo a publicação, o despacho foi descoberto na primeira quinzena neste mês.

No local havia um papel com nome do prefeito em cruz, garrafa de cachaça e um sapo morto. Tudo junto e misturado. O “trabalho” foi descoberto por uma moradora que visitava o túmulo de parente.

O despacho estava na porta, com terra de cemitério sobre o nome.

Não se sabe por quais motivos, alguém deseja a morte do prefeito, que não comentou o assunto.

Mistério!

Comentários Facebook
Leia mais:  Termina nesta quarta-feira prazo para pagar 1ª parcela do IPVA ou quitar à vista
Continue lendo

Mais Lidas da Semana