conecte-se conosco

Região Metropolitana

Justiça condena empresas que mantiveram trabalhadores de obra sem pagamento em Curitiba

Publicado

Por RPC Curitiba — Curitiba

A Justiça do Trabalho condenou a empresa Lyx Participações e Empreendimentos e mais três empresas e um sócio, que mantiveram trabalhadores sem pagamento em obras realizadas em cidades da região de Curitiba.

Segundo o Ministério Público do Trabalho, autor da denúncia, os trabalhadores foram vítimas de um esquema de terceirixação e quarteirização montado pela Lyx. A empresa executa obras na Região de Curitiba, a maioria do projeto Minha Casa Minha Vida.

Conforme as investigações o esquema funcionava assim:

  • Depois de receber o financiamento, a Lyx fechava contrato com uma empreiteira para tocar os trabalhos
  • Essa empreiteira subcontratava uma outra empresa, que, então, contratava os operários
  • Alegando problemas nas obras, a Lyx atrasava ou retinha o pagamento para a primeira empreiteira
  • Isso gerava um calote em série, que terminava nos trabalhadores sem receber salários

Ainda conforme os promotores, além das infrações trabalhistas, as empresas contratadas pela Lyx não possuem capacidade econômica compatível com a execução dos contratos. Em um dos casos, uma empresa com capital de R$ 100 mil foi contratada para fazer uma obra de R$ 12.969.801,70.

Leia mais:  São José dos Pinhais tem a menor temperatura do ano, diz Somar

Condenação

A decisão condenou as empresas à indenização de R$ 2 milhões por danos morais coletivos. O juiz entendeu que houve sonegação de direitos e a repetição de ilegalidades trabalhistas, justificando a condenação.

A Justiça do Trabalho condenou a empresa Lyx Participações e Empreendimentos e mais três empresas e um sócio, que mantiveram trabalhadores sem pagamento em obras realizadas em cidades da região de Curitiba.

Segundo o Ministério Público do Trabalho, autor da denúncia, os trabalhadores foram vítimas de um esquema de terceirixação e quarteirização montado pela Lyx. A empresa executa obras na Região de Curitiba, a maioria do projeto Minha Casa Minha Vida.

Conforme as investigações o esquema funcionava assim:

  • Depois de receber o financiamento, a Lyx fechava contrato com uma empreiteira para tocar os trabalhos
  • Essa empreiteira subcontratava uma outra empresa, que, então, contratava os operários
  • Alegando problemas nas obras, a Lyx atrasava ou retinha o pagamento para a primeira empreiteira
  • Isso gerava um calote em série, que terminava nos trabalhadores sem receber salários

Ainda conforme os promotores, além das infrações trabalhistas, as empresas contratadas pela Lyx não possuem capacidade econômica compatível com a execução dos contratos. Em um dos casos, uma empresa com capital de R$ 100 mil foi contratada para fazer uma obra de R$ 12.969.801,70.

Leia mais:  Importante avenida de São José dos Pinhais será duplicada com novos investimentos

Condenação

A decisão condenou as empresas à indenização de R$ 2 milhões por danos morais coletivos. O juiz entendeu que houve sonegação de direitos e a repetição de ilegalidades trabalhistas, justificando a condenação.

Comentários Facebook

Região Metropolitana

Setran alerta para site que promove leilões de veículos de forma ilegal

Publicado

A Setran (Superintendência de Trânsito) denunciou na Polícia Civil um site falso de leilões de veículos. A plataforma usa dados falsos e ainda afirma ter a chance do órgão municipal.

O site falso (setranleiloes.com/br/) apresenta telefones e e-mails inverídicos e se intitula como o site oficial dos leilões de veículos da Setran.

As informações e indicações dos leilões promovidos pela Setran são publicados sempre no site (https://transito.curitiba.pr.gov.br/patio/leilao-eletronico-de-veiculos/52).

Vale lembrar que todos os domínios de secretarias e órgãos da Prefeitura de Curitiba tem sempre a extensão (curitiba.pr.gov.br) dentro do endereço eletrônico.

O boletim de ocorrência foi registrado na Polícia Civil nesta quarta-feira (6), mas o site falso de leilões segue ativo normalmente.

Comentários Facebook
Leia mais:  Fiscalização em Araucária encontra carne sem origem ou inspeção e até com data vencida
Continue lendo

Mais Lidas da Semana