conecte-se conosco

Paraná

Indicado por Valeixo, superintendente da PF no Paraná é exonerado do cargo

Publicado

O delegado Luciano Flores foi exonerado do cargo de Superintendente Regional da Polícia Federal (PF) do Estado do Paraná. A decisão publicada em Diário Oficial da União nesta terça-feira (2).
Omar Gabriel Haj Mussi, atual corregedor-geral da Polícia Federal, ficará no lugar de Luciano Flores. Mussi é paranaense e já atuou como superintendente da PF em Alagoas e foi diretor de Administração e Logística da Polícia Federal.

Flores foi um dos delegados em destaque durante a Operação Lava Jato e chegou a interrogar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele assumiu a função em fevereiro de 2019 sob indicação de Maurício Valeixo, quem ocupava o cargo anteriormente.

Valeixo se despediu da função de Superintendente para se tornar o diretor-geral da PF por escolha do ex-ministro Sergio Moro, da Justiça e Segurança Pública.

Contudo, a exoneração de Valeixo, definida pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), resultou na saída de Moro e agora na troca do comando estadual da Polícia Federal.

Vale ressaltar que a Superintendência da PF no Paraná é uma das mais importantes do país. Foi na PF em Curitiba, por exemplo, onde Moro e Valeixo prestaram seus depoimentos no inquérito que investiga a possível interferência política de Bolsonaro na Polícia Federal e onde Lula ficou preso por um ano e sete meses.

Leia mais:  Podcast que conta a história do 'Caso Evandro' bate 4 milhões de downloads e vai virar série

LUCIANO FLORES É EXONERADO DA SUPERINTENDÊNCIA NO PARANÁ

Luciano Flores entrou na Polícia Federal em 2002 e atuou na Lava Jato entre 2014 e 2016. Dentro da Operação, uma das suas maiores responsabilidades foi interrogar e executar a condução coercitiva do ex-presidente Lula.

Antes, ele foi delegado regional executivo da PF no Espírito Santo e depois passou pelo Mato Grosso do Sul até ser nomeado como chefe no Paraná.

Comentários Facebook

Paraná

Paraná se aproxima dos 470 mil casos de Covid-19 e mortes já são 8.676

Publicado

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou neste domingo (10) 1.625 casos confirmados e 7 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 469.538 casos confirmados e 8.676 mortos em decorrência da doença.

Os casos deste informe referem-se à pacientes que estiveram ou estão com a doença entre 24 de outubro de 2020 e 8 de janeiro de 2021. Os casos por data de confirmação do diagnóstico, ou encerramento (fechamento) do caso no sistema estão distribuídos nos meses: janeiro de 2021 são 1.541, os demais de 2020 nos meses de outubro 1, novembro 24 e dezembro 59. O detalhamento completo está no arquivo csv.

INTERNADOS – 1.350 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados. São 1.075 pacientes em leitos SUS (585 em UTI e 490 em leitos clínicos/enfermaria) e 275 em leitos da rede particular (140 em UTI e 135 em leitos clínicos/enfermaria).

Há outros 1.251 pacientes internados, 458 em leitos UTI e 793 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Leia mais:  Quase um milhão de paranaenses inadimplentes têm dívidas de até R$ 500, diz o Serasa

ÓBITOS – A secretaria estadual informa a morte de mais 7 pacientes. São 4 mulheres e 3 homens, com idades que variam de 40 a 90 anos. Os óbitos ocorreram nos dias 8 e 9 de janeiro.

Os pacientes que foram a óbito residiam em: Ponta Grossa (3), Arapongas (2). A Sesa registra ainda a morte de uma pessoa que morava em cada um dos seguintes municípios: Ampére e Santa Mariana.

FORA DO PARANÁ – O monitoramento da Sesa registra 3.741 casos de residentes de fora, 73 pessoas foram a óbito.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana