conecte-se conosco

Política Nacional

Bolsonaro quer corrigir ‘equívocos’ da reforma; Governo usa dados sem rigor sobre crimes

Publicado

BLOG DO MATHEUS LEITÃO / G1

Em sua primeira página, O Globo comenta a conclusão dos trabalhos da Comissão Especial da Câmara sobre a reforma da Previdência e afirma que o presidente Jair Bolsonaro ainda quer corrigir “equívocos” no texto. A posição de técnicos no governo, no entanto, é de que não é mais possível mexer na redação para evitar que outras categorias façam pressões também por mudanças.

O matutino carioca destaca entrevista com o deputado Marcelo Ramos (PL-AM), presidente da comissão especial, e enfatiza que ele mantém uma postura crítica a Bolsonaro, não pretendendo fazer mudanças na proposta que prejudiquem a economia prevista.

O parlamentar acredita na reinclusão de estados e municípios no texto e diz que “não podemos perder a chance de resolver a questão previdenciária dos estados, porque, no fim, essa conta vai para a União”.

Questionado sobre a aposentadoria dos agentes de segurança, Ramos afirma que o assunto está resolvido e que não pretende apoiar uma possível mudança nas regras para policiais federais, rodoviários federais e polícia legislativa.

“Estamos propondo que o pedreiro, o gari, o ajudante de servente trabalhem cinco anos mais, até 65 anos, e o policial federal não pode trabalhar até 53? Não é razoável”, afirma Marcelo Ramos.

Leia mais:  STF rejeita primeiro recurso de Lula, que pedia para anular condenação no STJ

Em uma crítica direta a Bolsonaro, Ramos diz que existem dois presidentes, um corporativista e um liberal, e quando os dois entram em conflito, vence o lado populista. “Bolsonaro quer mais ‘correções’ na reforma, mas técnicos resistem”, sublinha a manchete do Globo.

A Folha de S.Paulo revela que o governo tem usado um sistema que não odebece a requisitos básicos de padronização estatística para divulgar índices de segurança pública do país.

O ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública) citou o Sinesp (Sistema Nacional de Informações da Segurança Pública) em uma rede social para afirmar que crimes estão caindo em todo o país.

No entanto, segundo a Folha, o sistema é alvo de desconfiança de pesquisadores por não exigir critérios técnicos dos estados e distritos e por não fiscalizar a origem da coleta dos dados. Além disso, o Sinesp apenas reúne informações sobre ocorrências enviadas pelos estados de forma genérica e, muitas vezes, incompleta.

Questionado sobre os critérios das pesquisas, o ministério afirmou apenas que os dados são analisados, mas não explicou os métodos usados para isso. “Governo usa dados sem rigor para medir crimes”, informa o título principal da Folha.

Leia mais:  Para evitar atrasos na reforma da Previdência, Guedes busca reaproximação com Maia

O Estado de S.Paulo dá ênfase a entrevista feita com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e mostra que a instituição pretende baratear e expandir o acesso ao crédito do Brasil.

Uma das estratégias a ser adotada pelo BC é incentivar o uso de imóveis quitados e que estejam com a documentação regular como garantia para a concessão de empréstimos pessoais.

Segundo o Estadão, a modalidade chamada ‘home equity’ é um tipo de empréstimo garantido que tem taxas mais atrativas e juros mais baixos, com prazo maior para pagamento do valor do empréstimo.

A modalidade já existe no Brasil, mas ainda é pouco usada. O objetivo do banco é aumentar o número de clientes que adotem essa possibilidade.

Comentários Facebook

Política Nacional

Celular do presidente Jair Bolsonaro também foi alvo de invasão por hackers

Publicado

O grupo hacker preso na terça-feira, 23, atacou celulares do presidente da República, Jair Bolsonaro. A informação foi transmitida pela Polícia Federal ao Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) e já foi encaminhada ao presidente. Quatro pessoas presas sob suspeita de invasão de celular de autoridades estão custodiadas em Brasília.

Na nota, o Ministério da Justiça diz que, segundo a PF, “aparelhos celulares utilizados pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, foram alvos de ataques pelo grupo de hackers preso na última terça feira (23)”.

“Por questão de segurança nacional, o fato foi devidamente comunicado ao presidente da República”, acrescenta a nota – que não informa se foi extraído conteúdo de conversas de aparelhos do presidente Jair Bolsonaro.

Leia a íntegra da nota:

“O Ministério da Justiça e Segurança Pública foi, por questão de segurança nacional, informado pela Polícia Federal de que aparelhos celulares utilizados pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, foram alvos de ataques pelo grupo de hackers preso na última terça feira (23). Por questão de segurança nacional, o fato foi devidamente comunicado ao presidente da República”.

Leia mais:  STF rejeita primeiro recurso de Lula, que pedia para anular condenação no STJ

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana