conecte-se conosco

Polícial

Polícia prende suspeita de desviar mais de R$ 420 mil de Prefeitura do Paraná

Publicado

Polícia Civil-PR

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) cumpriu, na manhã desta segunda-feira (8), um mandado de prisão preventiva contra uma mulher, de 46 anos, suspeita de desviar cerca de R$ 420 mil da Prefeitura de Itaipulândia, região Oeste do Estado. Também foram cumpridos mandados de busca e apreensão na residência da suspeita e de sua irmã.

A irmã da suspeita também é alvo da investigação, pois foram constatadas transações bancárias realizadas a partir dos seus computadores. Durante as buscas foram apreendidos notebooks, pendrives e aparelhos celulares. Os mandados foram cumpridos no município de Cascavel, nos bairros Neva, Country e Centro.

A fraude foi descoberta após uma servidora, que atua como tesoureira na Prefeitura de Itaipulândia, verificar uma diferença na conciliação bancária do mês de junho. Foram encontrados lançamentos que não haviam sido realizados por ela.

A PCPR deu início às investigações para apurar o destino do dinheiro e de que forma a fraude estava sendo realizada. Descobriu-se que a mulher de 46 anos, presa hoje, possui um contrato ativo com a Prefeitura de Itaipulândia para prestação de serviços de importação e alimentação de arquivos de texto.

Leia mais:  Assalto a banco causa pânico em Matinhos; veja o vídeo

De acordo com as investigações, a suspeita seria uma pessoa de confiança e todos os meses ia até a prefeitura, sendo que algumas vezes passava o dia no Setor Financeiro para esclarecer dúvidas de servidores. A mulher teria acesso remoto ao servidor da prefeitura e sua senha lhe concedia amplos poderes, inclusive, para lançamentos de contas a pagar e liquidações.

Em investigação minuciosa, foi possível constatar que as transações bancárias realizadas de forma indevida foram feitas através do acesso da suspeita. Somente no dia 14 de junho deste ano foram desviados cerca de R$ 26,7 mil da conta do município, favorecendo a empresa da suspeita.

No decorrer das investigações, a PCPR verificou que há suspeitas de desvio de recursos desde dezembro de 2018. A partir de então, em todos os meses foram constatadas diversas transações bancárias indevidas para a mesma conta beneficiária. Valores entre R$ 5 e 48 mil aproximadamente.

As investigações prosseguem para apurar o envolvimento de mais pessoas com o esquema fraudulento.

Comentários Facebook

Polícial

Rapaz não aceita o termino, mata ex-namorada carbonizada e comete suicídio em Mato Grosso

Publicado

Rapaz não aceita o termino, mata ex-namorada carbonizada e comete suicídio, aponta Polícia

Dois corpos foram encontrados na manhã deste sábado (27), próximo do Parque de Exposições de Santa Carmem (531 km ao Norte de Cuiabá). Um deles a polícia acredita que seja de uma professora de 25 anos. Ele estava carbonizado dentro de um veículo – também destruído pelo fogo. O outro já foi identificado e é de um rapaz de 20 anos, que estava enforcado perto do carro. Ao que tudo indica, o crime foi passional e pode ter sido um feminicídio seguido de suicídio.

Conforme as informações obtidas pelo , o caso foi registrado por volta das 6h30, quando testemunhas encontraram o corpo de Carlos Eduardo Cordeiro da Luz, 20, pendurado por uma fita reboque. A ocorrência de suicídio tomou outra proporção quando, cerca de 5 metros do local, havia um carro queimado com um corpo dentro.

Diante do flagrante, o local foi isolado, Polícia Civil e Perícia Oficial de Identificação Técnica (Politec) foram acionadas. Constatou que o carro estava em nome de Keylane Costa Martins, 25, apontada como a possível vítima carbonizada. Além de o veículo estar no nome dela, a jovem não foi localizada pela Família. Keylane e Carlos tiveram um relacionamento, mas ele não aceitava o término e insistia em uma volta.

Leia mais:  Polícia recupera carreta com carga avaliada em R$ 240 mil

Segundo a Polícia, Carlos já tinha histórico de violência doméstica e inclusive foi preso pelo crime em outubro de 2019. Perícia apontou que perto do rosto e do pescoço de Carlos haviam arranhões, o que pode significar uma tentativa de defesa da vítima, que acabou sendo morta e queimada pelo companheiro e em seguida, tirou sua própria vida.

Como o corpo de Carlos estava conservado, ele acabou sendo identificado por populares. As famílias foram avisadas por telefone. Mas, apesar de todos os indícios, a confirmação de que o corpo é de Keylane só será feita após um exame da Perícia.

Nas redes sociais, amigos já começam manifestam o luto por Keylane. Ela era pedagoga e ainda cursava arquitetura e urbanismo. Os corpos foram removidos pela Politec e o caso será investigado pela Polícia Civil de Sinop.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana