conecte-se conosco

Política Nacional

Maia diz que fala de Paulo Guedes sobre deputados poderem abortar reforma da Previdência ‘uniu o parlamento’

Publicado

Por Tahiane Stochero, G1 SP

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que a crítica do ministro Paulo Guedes ao Congresso Nacional, afirmando que deputados poderiam “abortar a nova Previdência“, “uniu o Parlamento” e aproximou deputados e senadores de governadores e prefeitos.

“A fala dele [Paulo Guedes] ajudou, uniu o Parlamento, nos deu chance de estarmos mais próximos de governadores e prefeitos”, disse Maia após participar do Fórum BandNews em São Paulo nesta segunda-feira (17).

“Às vezes tem crises ou críticas que vêm para bem, essa é uma delas. Acho que fortaleceu nossa certeza de que a Câmara e o Senado podem ter papel de protagonista nesse momento que nunca tiveram ao longo dos últimos 20 anos.”

Na sexta-feira (14), o ministro da Economia, Paulo Guedes, criticou as mudanças propostas pelo relator do projeto de reforma da Previdência na Câmara dos Deputados e atribuiu as modificações à “pressões corporativas” e ao “lobby de servidores do Legislativo”.

“Eu acho que houve um recuo que pode abortar a nova Previdência. O recuo é que pelo menos pressões corporativas e de servidores do Legislativo forçaram o relator a abrir de R$ 30 bi para os servidores do Legislativo que já são favorecidos no sistema normal, então recuaram na regra de transição. E como isso ia ficar feio, recuar só nos servidores, estenderam também para o regime geral”, disse o ministro.

Leia mais:  Comissão Especial aprova texto básico da Reforma da Previdência

Votação

Maia disse ainda que espera que a reforma da Previdência possa ser votada até o próximo dia 26. “Votando no dia 26, no dia 27 eu instalo a reforma tributária, que é a segunda reforma que a Câmara vai fazer”, afirmou.

Comentários Facebook

Política Nacional

Celular do presidente Jair Bolsonaro também foi alvo de invasão por hackers

Publicado

O grupo hacker preso na terça-feira, 23, atacou celulares do presidente da República, Jair Bolsonaro. A informação foi transmitida pela Polícia Federal ao Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) e já foi encaminhada ao presidente. Quatro pessoas presas sob suspeita de invasão de celular de autoridades estão custodiadas em Brasília.

Na nota, o Ministério da Justiça diz que, segundo a PF, “aparelhos celulares utilizados pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, foram alvos de ataques pelo grupo de hackers preso na última terça feira (23)”.

“Por questão de segurança nacional, o fato foi devidamente comunicado ao presidente da República”, acrescenta a nota – que não informa se foi extraído conteúdo de conversas de aparelhos do presidente Jair Bolsonaro.

Leia a íntegra da nota:

“O Ministério da Justiça e Segurança Pública foi, por questão de segurança nacional, informado pela Polícia Federal de que aparelhos celulares utilizados pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, foram alvos de ataques pelo grupo de hackers preso na última terça feira (23). Por questão de segurança nacional, o fato foi devidamente comunicado ao presidente da República”.

Leia mais:  Floriano Peixoto, ministro da Secretaria-Geral, deve ser nomeado presidente dos Correios

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana