conecte-se conosco

Paraná

Bebida alcóolica é único produto que registra aumento de vendas durante pandemia no Paraná

Publicado

O Paraná perdeu R$ 420 milhões na arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em abril de 2020 na comparação com o mesmo período de 2019, de acordo com o novo boletim conjuntural elaborado pelas secretarias de Planejamento e Projetos Estruturantes e da Fazenda e divulgado nesta quinta-feira (30).O novo boletim conjuntural elaborado pelas secretarias de Planejamento e Projetos Estruturantes e da Fazenda e divulgado nesta quinta-feira (30) mostra que a queda na atividade econômica se acentuou nos últimos dias no Paraná e recuou 33,7% entre 7 de março e 26 de abril. No comércio e alimentação houve retração de 31,3% e o segmento industrial retraiu 36,8%. O cálculo até o dia 19 de abril apontava encolhimento de 28,8% (total), de -24% (comércio e alimentação) e -35,3% (indústrias). Os resultados sofreram influência do recesso de Tiradentes. Entre os dados interessantes da pesquisa, está que o único produto que registrou aumento de vendas no Paraná comparando o período anterior à pandemia e a semana de 20 a 26 de abril, foi bebida alcóolica, que teve aumento de 2% das vendas. Entre os que registraram menores perdas, estão a venda de tratores (91%), iluminação (90%), laticínios, ovos e mel  (90%), carnes, peixes e frutos do mar (87%), Frutas, verduras e raízes (85%), e Televisores (84%). Os produtos que apresentaram maior queda foram automóveis, que têm apenas 43% das vendas.

No relatório por setores, é possível verificar que o setor mais prejudicado é o de cama, mesa e banho, que está vendendo apenas 30% do normal, seguido dos calçados (31%), restaurantes e lanchonetes (34%) e vestuário (37%).

Em relação à semana anterior – Os resultados das vendas na semana encerrada no dia 26 indicam aumento no volume em alguns setores na comparação com a semana anterior: hipermercados e supermercados; restaurantes e lanchonetes; vestuário e acessórios; calçados; televisores; telefone celular; móveis; colchões; e cama, mesa e banho. Houve queda nas vendas em farmácias; lojas de materiais de construção e ferragens; áudio, vídeo e eletrodomésticos; informática e telefonia; iluminação; e linha branca. Em relação aos produtos alimentícios, aumentaram as vendas de frutas, verduras e raízes, e laticínios, ovos e mel. Carnes, peixes e frutos do mar, e cereais, farinhas, sementes, chá e café permaneceram estáveis. A venda de bebidas alcoólicas e bebidas não alcoólicas apresentou recuperação nessa semana.

Leia mais:  Previsão do inverno mostra que frio deve vir em ‘conta gotas’ no Paraná

Veja quais setores do comércio varejista do Paraná perderam mais ou menos no Paraná e quais produtos foram mais ou menos vendidos, segundo relatório da semana de 20 a 26 de abril em comparação ao período de 2 a 8 de março, considerando o movimento normal, 100%

Por setor

Áudio, Vídeo e eletrodomésticos 93%

Hipermercados  81%

Materiais de construção e ferragens  74%

Farmácias  73%

Informática e Telefonia 55%

Vestuário e acessórios  37%

Resturantes e lanchonetes 34%

Calçados 31%

Cama/Mesa e Banho 30%

Por produto

Bebidas Alcóolicas  102%

Tratores 91%

Iluminação 90%

Laticínios, ovos e mel 90%

Carnes, peixes e frutos do mar 87%

Frutas, verduras e raízes 85%

Televisores 84%

Móveis 84%

Cereais, farinhas, sementes, chás e cafés 78%

Metalurgia 76%

Telefone Celular 75%

Bebidas não alcoolicas 74%

Linha Branca 73%

Colchões 72%

Caminhões e ônibus 69%

Partes, peças e acessórios 66%

Produtos químicos 63%

Plásticos borrrachas, papel e celulose 62%

Automóveis e Motocicletas 43%

Por região – A redução mais expressiva na atividade industrial foi contabilizada no Leste (Litoral, Região Metropolitana de Curitiba, Capital e Campos Gerais), com contração de 45,9%. A macrorregião Noroeste, de Maringá e Paranavaí, registrou a maior queda no comércio e alimentos, com redução de 41,3%. No cenário específico do funcionamento para as empresas, o boletim aponta que 11,4 mil que operam no Simples Nacional e 2,6 mil que operam no regime normal estavam fechadas no dia 28 de abril. Esse número contrasta com o levantamento anterior e mostra tendência de crescimento de aberturas.

Essa avaliação é feita por técnicos da Receita Estadual com base na emissão de documentos fiscais dos estabelecimentos contribuintes do ICMS. Por este critério, na separação por cidades, estão funcionando perto de 90% dos estabelecimentos em Cascavel e 87% em Ponta Grossa. Londrina, Maringá, Foz do Iguaçu e Curitiba variam entre 75% e 80%.No comparativo entre a primeira semana de março e a quarta de abril, houve redução na quantidade de empresas que deixaram de emitir documentos fiscais. Mas houve leve recuperação em relação à semana anterior. No comércio varejista, a queda foi de 15%; na indústria, de 13%; e no comércio atacadista, de 9%. No boletim anterior os índices eram de -21%, -19% e -15%, respectivamente.

Leia mais:  Três universidades do Paraná aparecem entre as 50 melhores no THE Latin America University Rankings

Preço da gasolina caiu 19% desde o iníco do ano no Paraná

No setor de combustíveis, de 1º de janeiro a 26 de abril, o preço nas refinarias caiu 51% para a gasolina e 43% no diesel. Os preços para os consumidores também baixaram: 19% na gasolina, 19% no etanol e 22% no diesel, no mesmo período. Apenas nesse setor, os técnicos da Receita Estadual observaram redução média de R$ 54 milhões de ICMS devido por semana aos cofres do Estado.

PIB – O boletim também traz a previsão de queda de 4,1% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro para 2020, com base em projeções da Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV-IBRE). A previsão para o período 2011-2020 é de queda de 0,6% em relação à década anterior.

Geolocalização

O índice de isolamento social caiu no Paraná na última semana. O Paraná registra 46,6% da população em casa, contra 47,8% em Santa Catarina e 50% no Rio Grande do Sul. O número foi calculado pela empresa In Loco em 25 de abril com base nas informações de geolocalização dos celulares.

 

Comentários Facebook

Paraná

Paraná se aproxima dos 470 mil casos de Covid-19 e mortes já são 8.676

Publicado

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou neste domingo (10) 1.625 casos confirmados e 7 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 469.538 casos confirmados e 8.676 mortos em decorrência da doença.

Os casos deste informe referem-se à pacientes que estiveram ou estão com a doença entre 24 de outubro de 2020 e 8 de janeiro de 2021. Os casos por data de confirmação do diagnóstico, ou encerramento (fechamento) do caso no sistema estão distribuídos nos meses: janeiro de 2021 são 1.541, os demais de 2020 nos meses de outubro 1, novembro 24 e dezembro 59. O detalhamento completo está no arquivo csv.

INTERNADOS – 1.350 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados. São 1.075 pacientes em leitos SUS (585 em UTI e 490 em leitos clínicos/enfermaria) e 275 em leitos da rede particular (140 em UTI e 135 em leitos clínicos/enfermaria).

Há outros 1.251 pacientes internados, 458 em leitos UTI e 793 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Leia mais:  Paraná se aproxima dos 470 mil casos de Covid-19 e mortes já são 8.676

ÓBITOS – A secretaria estadual informa a morte de mais 7 pacientes. São 4 mulheres e 3 homens, com idades que variam de 40 a 90 anos. Os óbitos ocorreram nos dias 8 e 9 de janeiro.

Os pacientes que foram a óbito residiam em: Ponta Grossa (3), Arapongas (2). A Sesa registra ainda a morte de uma pessoa que morava em cada um dos seguintes municípios: Ampére e Santa Mariana.

FORA DO PARANÁ – O monitoramento da Sesa registra 3.741 casos de residentes de fora, 73 pessoas foram a óbito.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana