conecte-se conosco

Norte do Estado

TJ-PR nega pedido do Ministério Público para prender novamente avó de Eduarda Shigematsu

Publicado

G1 PR

A avó de Eduarda Shigematsu, morta no fim de abril em Rolândia, no norte do Paraná, vai continuar em liberdade. O Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) negou, na sexta-feira (5), um pedido do Ministério Público do Paraná (MP-PR) para que Terezinha de Jesus Guinaia voltasse para prisão.

A menina, que tinha 11 anos, foi morta e enterrada no quintal da casa família. O pai, Ricardo Seidi, confessou que enterrou o corpo da filha depois de encontrá-la morta em casa. Ele disse à polícia que a menina tinha se enforcado. No entanto, o exame do Instituto Médico-Legal (IML) apontou que a criança foi esganada. A avó foi presa quatro dias depois do corpo ser encontrado.

No dia 27 de junho, Terezinha e Seidi se tornaram réus por homicídio, ocultação de cadáver e falsidade ideológica. No mesmo dia que a denúncia foi aceita, a Justiça mandou soltar a avó de Eduarda, sem monitoramento eletrônico.

De acordo com o Ministério Público do Paraná (MP-PR), o crime de homicídio tem os agravantes de meio cruel, porque a menina foi asfixiada, por não terem dado chance de defesa para a criança e ainda por feminicídio, já que a agressão tem relação com o fato de a vítima ser mulher.

Leia mais:  Suspeitos de assaltar ônibus de turismo na região de Campo Mourão são presos

Ainda conforme a denúncia, os acusados ainda tentaram adulterar a realidade dos fatos para dificultar a investigação.

Quatro dias depois de Terezinha Guinaia ser solta, o MP-PR entrou com um recurso no TJ-PR pedindo que ela voltasse a ser presa porque o caso gerou grande clamor social.

Após analisar o pedido, o desembargador Clayton Camargo disse que os elementos de prova contra a acusada, Terezinha Guinaia, são frágeis e que a mulher é ré primária, tem bons antecedentes, sempre teve residência fixa e tem um trabalho lícito.

“Contudo é de se destacar que a determinação da prisão preventiva somente em relação ao acusado Ricardo Seidi Shigematsu, se propõe porque a comoção social voltou-se para o executor direto do crime, no caso o pai da vítima”, diz um trecho da decisão.

“Não há prova concreta, por ora, de que a ré possa criar obstáculo à instrução criminal”, concluiu o desembargador.

A defesa de Terezinha Guinaia informou que, por enquanto, não vai se manifestar. O advogado de Ricardo Seidi não foi localizado.

Leia mais:  Homem morre após confronto com a PM em Arapongas; dois estão presos e um foragido

Comentários Facebook

Norte do Estado

Duplicação de Londrina a Mauá da Serra terá investimento de R$ 148 milhões

Publicado

Duplicação de Londrina a Mauá da Serra terá investimento de R$ 148 milhões

O Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR) divulgou nesta segunda-feira (22) o resultado final da licitação para duplicar a PR-445 entre Mauá da Serra e o distrito de Lerroville, de Londrina, na região Norte. O consórcio DT PR 445, composto pelas empresas Dp Barros Pavimentação e Construção Ltda. e Tríade Pavimentações S.A., foi declarado vencedor por ter feito a proposta de preço mais vantajosa à administração pública, de R$ 148.032.561,17, e por ter toda a sua documentação habilitada. As demais participantes têm cinco dias úteis, até as 18h do dia 26 de novembro, para protocolarem recursos quanto ao resultado da licitação, seguido por outros cinco dias para contrarrazões, caso algum recurso seja interposto. Na sequência será publicada a homologação do resultado e adjudicação da realização da obra à vencedora, seguidas por trâmites internos para assinatura do contrato. Estão previstas a duplicação de 27,07 quilômetros da PR-445, implantação de um viaduto no acesso ao município de Tamarana, vias marginais entre Tamarana e Lerroville, uma rótula no acesso para Lerroville, pontes sobre os rios Santa Cruz e Apucaraninha, onze retornos em nível, a correção da geometria em sete curvas consideradas críticas, e restauração da pista existente. A pista nova terá duas faixas de rolamento de 3,60 m cada, em sentido único, e acostamento externo de 2,50 m, separada da pista atual por um canteiro central de 7 m a 9 m de largura e faixa de segurança de 60 centímetros de cada lado, na maior parte do trecho. No local onde não será possível o canteiro, as pistas serão separadas por barreira rígida de concreto New Jersey, com faixa de segurança interna de 1 metro de largura em cada lado. O prazo para concluir a obra é de 18 meses após assinatura do contrato e emissão da ordem de serviço. Serão beneficiados diretamente os mais de 25 mil habitantes de Mauá da Serra e Tamarana, além de todo o tráfego de veículos entre Londrina e Curitiba, ou entre Londrina e Paranaguá.

Leia mais:  Tarifas de pedágio em praças da Econorte serão reduzidas neste sábado

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana