conecte-se conosco

Curitiba

Oficinas credenciadas pela JMK para conserto de veículos oficiais do Paraná ficam no prejuízo

Publicado

G1 PR - Marcelo Rocha, RPC Curitiba

Donos de oficinas mecânicas credenciadas pela JMK, empresa responsável pela manutenção dos veículos oficiais do Governo do Paraná, reclamam que ficaram no prejuízo com o esquema de fraude investigado na Operação Peça Chave, da Polícia Civil.

A investigação aponta prejuízo de mais de R$ 125 milhões aos cofres públicos. Para a polícia, os donos da JMK adulteravam orçamentos que vinham das oficinas credenciadas e inventavam serviços para cobrar mais caro do governo pelos reparos.

A oficina da empresária Vanessa Brasílio Pinheiro Trentini, em Curitiba, quebrou. Ela guarda dezenas de ordens de serviços e orçamentos de carros que consertou a pedido da JMK e não recebeu.

Ela diz estar com o nome sujo e ter amargado prejuízo de mais de R$ 100 mil. Por isso, entrou na Justiça para tentar receber. “Uma bola de neve só. Não me pagaram mais e eu não consegui pagar meus fornecedores e não consegui tocar adiante”, conta.

Outra proprietária de oficina em Curitiba, Marcolina Juliane, diz ter R$ 300 mil para receber da JMK e também vai cobrar na Justiça. Para diminuir as dificuldades de caixa, ela diz esperar voltar a prestar serviços par ao estado – desde que receba em dia.

Leia mais:  Passageiro é esfaqueado em estação-tubo após discussão, em Curitiba

“Vou trabalhar. Já até procuraram a gente, os bombeiros, Polícia Científica. Vamos continuar trabalhando”, indica a empresária.

O contrato governo com a empresa está suspenso. Uma decisão judicial autorizou o governo a negociar e pagar diretamente as oficinas. Dos 18 mil veículos da frota do estado, cerca de 700 ainda não foram consertados.

Essa forma de pagamento direto para as oficinas não vai durar muito tempo. Isso porque, o governo deve definir – até o fim de junho – escolher uma outra empresa para tocar a manutenção da frota oficial.

O contrato será de emergência, por até 180 dias. A promessa é a de que mecanismos mais rígidos de controle para que as fraudes não se repitam.

“A empresa que vir a ser contratada deverá demonstrar e comprovar efetivamente o repasse à empresa credenciada”, afirma o assistente técnico do Departamento de Transporte Oficial Ricardo André Borges.

Em nota, a JMK informou que vai provar na Justiça que sempre trabalhou dentro da legalidade e reforçou que o sistema empregado trouxe economia, controle e transparência na gestão de frotas do estado.

Leia mais:  Justiça determina reabertura dos bancos em Curitiba e região durante coronavírus

Comentários Facebook

Curitiba

Jovem que estava desaparecida foi assassinada em Curitiba

Publicado

Desaparecida desde outubro deste ano, a jovem Ana Carla Dalacosta de Menezes foi encontrada morta em Curitiba. O corpo já havia sido localizado na manhã do dia 10 do mês passado, mas só nesta sexta-feira (19) foi identificado.

Ana era moradora de Rolândia e foi considerada desaparecida após sair de casa informando que iria atrás de um emprego em Maringá. Alguns dias depois, ela teria sido vista em Apucarana.

No entanto, Ana viajou para Curitiba e foi brutalmente assassinada na capital paranaense. O corpo foi localizado em chamas às margens do Rio Belém, na Rua Sérgio Venci, por moradores da região. A Guarda Municipal foi chamada e controlou o fogo.

A Polícia Científica realizou a perícia e contratou que ela pode ter sido morta asfixiada, antes de atearem fogo no corpo.

Nos últimos dias, o pai da vítima divulgou nas redes sociais sobre o seu desaparecimento, pois estranhou que ela estava há muitos dias sem se comunicar com a família. Ao descobrir que havia um corpo no Instituto Médico Legal (IML), de Curitiba, que batia com as características de Ana Carla, familiares foram até a capital e com um exame de arcada dentária, conseguiram confirmar que se tratava dela. A família também reconheceu as roupas que ela usava.

Leia mais:  Guaíra lota e confirma maior edição do evento nos últimos anos

A Divisão de Homicídios segue com a investigação para tentar identificar o autor ou autores do crime. A motivação do crime ainda é desconhecida.

O corpo de Ana Carla após ser liberado, deverá ser encaminhado para Rolândia onde acontecerá o enterro.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana