conecte-se conosco

Política Nacional

Maia se reúne com líderes para definir votação da reforma da Previdência

Publicado

Por Fernanda Calgaro, G1 — Brasília

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se reuniu na manhã desta terça-feira (9) com os líderes partidários para definir os procedimentos de votação da reforma da Previdência no plenário.

Até a última atualização desta reportagem, a reunião ainda não havia terminado.

Considerada prioritária pelo governo para sanar as contas públicas, a proposta que altera as regras de aposentadoria foi aprovada na semana passada pela comissão especial.

A expectativa é a de que a matéria seja votada no plenário nesta semana. Por se tratar de uma emenda à Constituição, são necessários dois turnos de votação com o apoio de ao menos 308 dos 513 deputados, antes de seguir para o Senado

O secretário especial da Previdência Social, Rogério Marinho, acompanhou a movimentação na Câmara desde cedo.

Há uma articulação entre os partidos favoráveis à reforma para tentar votar a proposta nos dois turnos até o final desta semana – alguns líderes já mobilizaram suas bancadas para ficarem em Brasília até sábado (13).

Um dos principais defensores das mudanças nas regras previdenciárias, Maia passou a tarde e a noite de segunda-feira (8) reunido com diversos parlamentares na sua residência oficial discutindo a votação no plenário.

Para acelerar o andamento das sessões, o governo tem trabalhado para convencer as legendas a não apresentarem destaques (sugestões para modificar o texto). A análise dos destaques poderá fazer com as sessões se estendam ainda mais.

Texto-base

Ao chegar à reunião, Maia comentou a estratégia prevista para a votação no plenário. Ele disse que a intenção é tentar votar o texto principal ainda nesta terça, para deixar os destaques para quarta (10).

Leia mais:  Estados do Norte e Nordeste querem mudanças na proposta de reforma tributária

Por causa da necessidade de um patamar alto de votos, Maia explicou que vai monitorar a quantidade de parlamentares na Casa ao longo do dia.

“Vamos trabalhar para isso [aprovar o texto-base nesta terça]. A gente sabe que não é uma votação simples. 308 votos é um número enorme de parlamentares, ainda tem algumas conversas sendo feitas, mas a nossa intenção é que a gente possa fazer um bom debate durante o dia e, a partir do fim do dia, início da noite, tentar começar a construir o processo de votação”, afirmou o presidente da Câmara.

“Tem que esperar para garantir o quórum. Ontem [segunda-feira] tivemos na Casa, até 22h, 400 deputados. Nós temos que chegar a 490 para não ter risco de perder a votação”, completou.

Dizendo-se otimista, Maia disse considerar possível votar o segundo turno até sexta-feira (12). “Se a gente conseguir o número de parlamentares para votar, começar a votação pelo menos do principal hoje, na noite, na madrugada, e seguir com os destaques amanhã, a gente passa a ter a quinta e a sexta para votar o segundo turno”, declarou.

Kit obstrução

A ordem do dia da Câmara (o período da sessão em que os deputados votam propostas) terá início quando o painel eletrônico da Casa registrar a presença de 257 deputados. Neste momento, deverá ser anunciada a análise da PEC da Previdência em primeiro turno.

Deputados de oposição já anunciaram que pretendem utilizar dispositivos previstos no regimento interno da Câmara para tentar atrasar a análise da proposta – o chamado “kit obstrução”.

A obstrução, no jargão legislativo, é um conjunto de práticas realizadas por deputados que não concordam com o conteúdo de um determinado projeto para evitar que seja votado. Essas ações, geralmente, buscam atrasar ao máximo a votação de um texto, apostando na dificuldade dos apoiadores da proposta de manter o quórum necessário para realizar as votações.

Leia mais:  Comissão Especial da Câmara deve votar relatório da Previdência nesta quinta

Na estratégia da obstrução, parlamentares de oposição podem solicitar, por exemplo, que seja feita a leitura da ata da sessão anterior. Podem também apresentar requerimentos de retirada de pauta, de adiamento de discussão, de votação nominal para outro requerimento, entre outros recursos regimentais.

Este conjunto de requerimentos de obstrução precisa ser analisado antes que seja iniciada a discussão da proposta principal.

Ainda com base no kit obstrução, a oposição pode apresentar no plenário questões de ordem, que são questionamentos regimentais sobre a forma pela qual serão realizados os procedimentos de discussão e votação da PEC.

Para driblar a obstrução que a oposição pretende fazer para arrastar a sessão, o presidente da Câmara disse que vai propor um acordo para permitir que os parlamentares que são contrários à reforma discursem da tribuna por três ou quatro horas.

“Quero fazer um acordo. É que a gente amplie esse debate, pode ter a tarde inteira para fazer o debate, porque aí você pode ter três, quatro horas de debate. Acho que é melhor para todo mundo. Em vez de ter uma sessão de obstruções, uma sessão de debates, dá no mesmo. Você troca a obstrução pelo debate. Cada um coloca o seu ponto de vista em relação à reforma da Previdência”, afirmou Maia.

Foto: REPRODUÇÃO

Comentários Facebook

Política Nacional

Celular do presidente Jair Bolsonaro também foi alvo de invasão por hackers

Publicado

O grupo hacker preso na terça-feira, 23, atacou celulares do presidente da República, Jair Bolsonaro. A informação foi transmitida pela Polícia Federal ao Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) e já foi encaminhada ao presidente. Quatro pessoas presas sob suspeita de invasão de celular de autoridades estão custodiadas em Brasília.

Na nota, o Ministério da Justiça diz que, segundo a PF, “aparelhos celulares utilizados pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, foram alvos de ataques pelo grupo de hackers preso na última terça feira (23)”.

“Por questão de segurança nacional, o fato foi devidamente comunicado ao presidente da República”, acrescenta a nota – que não informa se foi extraído conteúdo de conversas de aparelhos do presidente Jair Bolsonaro.

Leia a íntegra da nota:

“O Ministério da Justiça e Segurança Pública foi, por questão de segurança nacional, informado pela Polícia Federal de que aparelhos celulares utilizados pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, foram alvos de ataques pelo grupo de hackers preso na última terça feira (23). Por questão de segurança nacional, o fato foi devidamente comunicado ao presidente da República”.

Leia mais:  TSE vai comprar 180 mil urnas eletrônicas para eleições de 2020

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana