conecte-se conosco

Mundo

Índices da China fecham em máxima de mais de 2 meses por alívio com trégua comercial

Publicado

Por Reuters

 O mercado acionário chinês terminou no nível mais alto em mais de dois meses nesta segunda-feira (1), impulsionado pelas expectativas de um fim na guerra comercial entre Estados Unidos e China depois que os países concordaram em retomar as negociações e que os EUA disseram que irão adiar mais tarifas.

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, terminou com alta de 2,88%, enquanto o índice de Xangai subiu 2,22%.

Embora não tenha havido sinais de progresso em importantes pontos da disputa comercial, a promessa de mais negociações e as concessões oferecidas pelo presidente dos EUA, Donald Trump, incluindo um alívio das restrições à Huawei, sustentou os mercados.

“Acreditamos que os resultados alcançados na cúpula do G20 ajudarão a melhorar o sentimento e entusiasmo do investidor, e esperamos que a recuperação do mercado continue”, disse Yan Xiang, analista do Guosen Securities.

Embora Trump tenha dito que as negociações estão “de volta aos trilhos”, as tarifas atuais continuam em vigor e a reunião com o presidente chinês, Xi Jinping, não resultou em nenhum prazo para um avanço no acordo.

Leia mais:  Donald Trump lança oficialmente campanha para reeleição em comício em Orlando

Em TÓQUIO, o índice Nikkei avançou 2,13%, a 21.729 pontos. Em HONG KONG, o índice HANG SENG permaneceu fechado. Em XANGAI, o índice SSEC ganhou 2,22%, a 3.044 pontos.

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, avançou 2,88%, a 3.935 pontos. Em SEUL, o índice KOSPI teve desvalorização de 0,04%, a 2.129 pontos.

Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou alta de 1,53%, a 10.895 pontos. Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES valorizou-se 1,52%, a 3.372 pontos. Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 avançou 0,44%, a 6.648 pontos.

Comentários Facebook

Mundo

Encontro do G20 começa nesta quinta e deve ser marcado por discussões sobre guerra comercial

Publicado

G1

Começa nesta quinta-feira (27) – manhã de sexta-feira (28) no horário local – o encontro do G20 em Osaka, no Japão. A cúpula vai reunir líderes das maiores economias do mundo, e deve ser marcada por discussões sobre conflitos comerciais globais, especialmente em meio às negociações entre China e Estados Unidos em torno da guerra comercial. O encontro, que vai até este sábado (29), deve ter ainda conversas sobre tensões entre EUA e Irã e o acordo entre Mercosul e UE.

Esta será a primeira vez em sete meses que os presidentes dos EUA e China, Donald Trump e Xi Jinping, se encontram. A última reunião ocorreu na edição anterior do encontro do G20, em Buenos Aires. Na ocasião, os líderes dos dois países chegaram a acertar uma trégua, mas meses depois as negociações foram interrompidas. Enquanto isso, os desdobramentos da disputa comercial seguem gerando preocupações sobre o impacto na economia global.

Donald Trump dá entrevista a jornalistas na Casa Branca, em Washington, nesta quarta-feira (26) — Foto: Jonathan Ernst/Reuters

Donald Trump dá entrevista a jornalistas na Casa Branca, em Washington, nesta quarta-feira (26) — Foto: Jonathan Ernst/Reuters

Na quarta-feira (26), Trump afirmou ser “absolutamente possível” chegar a um acordo com a China para evitar a imposição das tarifas ameaçadas sobre os produtos chineses. No entanto, o presidente também afirmou: “mas eu também estou bem feliz com onde estamos agora.”

Leia mais:  Marinha dos EUA diz que fragmentos de minas apontam para o Irã em incidente com navios petroleiros

O encontro entre Trump e Xi Jinping também acontece em meio a discussões sobre o programa nuclear da Coreia do Norte. O presidente chinês fez uma visita recente à Coreia do Norte, em uma demonstração aos EUA de que a China continua sendo um aliado do regime de Pyongyang. Depois do G20, Trump visitará a Coreia do Sul para abordar a questão do programa nuclear norte-coreano com o presidente Moon Jae-in.

Além da guerra comercial, os EUA também estarão sob as atenções dos demais participantes por causa das recentes tensões envolvendo o Irã. Os conflitos envolvendo os dois países já duram décadas, mas nos últimos dias as tensões ganharam força com uma série de ameaças de um conflito armado. Trump chegou a ordenar bombardeios depois de o Irã ter anunciado a derrubada de um drone dos EUA. O presidente americano, no entanto, recuou em cima da hora.

Participação do Brasil

O presidente Jair Bolsonaro e o vice-presidente Hamilton Mourão, durante a transmissão de cargo, na Base Aérea de Brasília — Foto: Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro e o vice-presidente Hamilton Mourão, durante a transmissão de cargo, na Base Aérea de Brasília — Foto: Alan Santos/PR

Essa será a primeira participação de Jair Bolsonaro na cúpula do G20 como presidente do Brasil. Ele embarcou na noite de terça-feira (25)para Osaka, e a previsão é que chegue à cidade na quinta (27). Bolsonaro deve participar de encontros com os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, da França, Emmanuel Macron, e da China, Xi Jinping.

Leia mais:  Donald Trump lança oficialmente campanha para reeleição em comício em Orlando

O presidente também deve ter reuniões com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi; com o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman (apontado por relatório da ONU como responsável pela morte do jornalista Jamal Khashoggi); com o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe; e com primeiro-ministro de Singapura, Lee Hsien-Loong.

“Vejo com grande preocupação a questão das ações do presidente brasileiro (em relação ao desmatamento) e, se ela se apresentar, aproveitarei a oportunidade no G20 para ter uma discussão clara com ele”, afirmou.

Bolsonaro também deve ter uma audiência na sexta-feira com o secretário-geral da OCDE, José Angel Gurría Treviño. O Brasil tenta integrar o grupo, apelidado de “clube dos ricos”, e conta com o apoio dos Estados Unidos. O presidente também deverá participar de um encontro do Grupo de Lima, que pressiona pelo restabelecimento da democracia na Venezuela.

Bolsonaro também deve ter uma audiência na sexta-feira com o secretário-geral da OCDE, José Angel Gurría Treviño. O Brasil tenta integrar o grupo, apelidado de “clube dos ricos”, e conta com o apoio dos Estados Unidos. O presidente também deverá participar de um encontro do Grupo de Lima, que pressiona pelo restabelecimento da democracia na Venezuela.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana