conecte-se conosco

Economia

Dólar opera em alta, acompanhando exterior após dados econômicos fortes dos EUA

Publicado

G1

O dólar opera em alta nesta terça-feira (16), acompanhando o exterior após dados econômicos fortes nos Estados Unidos, e tendo a agenda de reformas no radar em dia de reunião do Conselho de governo do presidente Jair Bolsonaro.

Às 10h44, a moeda norte-americana subia 0,05%, vendida a R$ 3,7583. Veja mais cotações.

No dia anterior, a moeda norte-americana subiu 0,48%, vendida a R$ 3,7563.

Cenário externo

Após abrir com pouca variação, o dólar consolidou sua alta frente ao real com a divulgação de dados do varejo nos Estados Unidos, cujas vendas subiram 0,4% em junho, acima do avanço de 0,1% esperado em pesquisa da Reuters.

Agentes financeiros já dão por certo que o Federal Reserve (BC dos EUA) cortará os juros ainda neste mês, mas dados econômicos mais fortes podem elevar apostas de um corte mais acentuado que o esperado.

Neste sentido, o mercado aguarda fala prevista do chair do Federal Reserve, Jerome Powell, nesta tarde, além de declarações de outras autoridades do banco central norte-americano.

Leia mais:  Número de micro e pequenas empresas inadimplentes aumenta 5% em um ano, no Paraná

O dólar também se valorizava frente a outras moedas impulsionado por uma trégua nas tensões comerciais entre Estados Unidos e China. O índice do dólar ante uma cesta de moedas subia 0,38%.

Na segunda-feira, o secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, disse a que espera ter outra conversa por telefone com autoridades chinesas nesta semana como parte das discussões retomadas sobre um acordo comercial.

Cenário local

Internamente, o mercado monitora a reunião do Conselho de governo, que ocorre em Brasília nesta manhã, com foco na tramitação de outras matérias econômicas agora que a reforma da Previdência ficará de lado durante o recesso parlamentar e com sua aprovação já precificada.

“Os ativos já se tornam praticamente precificados a respeito de tal evento e aos poucos somente notícias pessimistas sobre a aprovação da PEC têm uma maior capacidade de mudar o ritmo dos investimentos”, afirmou a corretora H.Commcor em nota.

A senadora Simone Tebet (MDB-MS), presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, previu na segunda-feira que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma da Previdência deve tramitar por 60 dias na Casa.

Leia mais:  Preço médio do botijão de gás sobe de R$ 69 para R$ 76 em Curitiba

Agora, agentes financeiros passam a olhar mais especificamente para avanços ligados à reforma tributária e às privatizações de empresas estatais, destaca a Reuters.

Comentários Facebook

Economia

Caixa reduz juros e anuncia R$ 33 bi em estímulos para economia

Publicado

A Caixa Econômica Federal reforçou, em R$ 33 bilhões, as linhas de crédito para enfrentar a crise provocada pelo coronavírus. O dinheiro se somará aos R$ 78 bilhões anunciados na semana passada, o que totalizará R$ 111 bilhões em recursos injetados.

Os R$ 33 bilhões adicionais serão destinados a linhas de capital de giro para empresas, que ganharam reforço de R$ 20 bilhões; para a compra de carteiras (R$ 10 bilhões); para o crédito a Santas Casas (R$ 2 bilhões) e para o crédito agrícola (R$ 1 bilhão).

A Caixa também cortou as taxas de juros do cheque especial para pessoa física, do parcelamento da fatura do cartão de crédito, de capital de giro, de empréstimos para hospitais, para o Crédito Direto ao Consumidor (CDC) e para o penhor. Os juros reduzidos entrarão em vigor em 1º de abril para o cheque especial e o cartão de crédito. Para os demais produtos, as taxas já estão em vigor.

Os juros do cheque especial passaram de 4,95% para 2,90% ao mês. As taxas do parcelamento da fatura do cartão caíram de 7,7% ao mês (em média) para juros a partir de 2,90% ao mês. Para o capital de giro, as taxas máximas passaram de 2,76% para 1,51% ao mês. As taxas do CDC caíram de 2,29% para 2,17% ao mês. Os juros do penhor foram cortados de 2,1% para 1,99% ao mês. Nas linhas de crédito para hospitais, as taxas passaram de 0,96% para 0,8% ao mês

Leia mais:  Bovespa opera em alta nesta segunda-feira, à espera de votação da reforma da Previdência

O período em que o cliente pode ficar sem pagar as parcelas passou de 60 para 90 dias. A medida abrange o crédito a pessoas físicas, a pessoas jurídicas, a hospitais e o crédito habitacional para pessoas físicas e empresas.

Estados e municípios

O banco reforçou o volume de empréstimos para estados e municípios. A medida abrange os financiamentos com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e o Financiamento à Infraestrutura e Saneamento Ambiental (Finisa). De 2 a 17 de março, a Caixa empestou R$ 3,35 bilhões a governos locais, em 246 operações com 195 tomadores. Ainda estão em estudo outras 324 operações, no total de R$ 1,81 bilhão.

Conforme a Medida Provisória 927, o banco suspendeu o recolhimento do FGTS pelos empregadores em março, abril e maio. Quem não recolher pode parcelar o valor em até seis vezes, tendo o certificado de regularidade do FGTS prorrogado por 90 dias. O empregador que precisar suspender o pagamento precisará declarar as informações dos trabalhadores no aplicativo Sefip.

Micro e pequenas empresas

A Caixa anunciou uma linha de capital de giro para manutenção da folha de pagamento das micro e pequenas empresas. O valor não foi divulgado. O banco firmou parcerias para ampliação de linhas de crédito e para o suporte a pequenos negócios por meio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). A antecipação de recebíveis, quando o comerciante recebe adiantado o valor de compras com cartão de crédito, terá taxas reduzidas.

Leia mais:  PIS/Pasep está disponível para 2 milhões até dia 28

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana