conecte-se conosco

Esportes

Chapecoense faz história e confirma retorno à Série A do Campeonato Brasileiro

Publicado


Em 2013, quando a marca da nossa primeira ascensão foi sacramentada, uma palavra – e todo o peso do seu significado – foi fundamental para nortear o trabalho e a conquista: merecimento. Na temporada 20/21, outro substantivo foi usado – e repetido de forma incansável antes e depois de cada partida – para que todos os envolvidos no processo de fazer girar a engrenagem verde e branca lembrassem o motivo de estarem ali: renúncia. E se o merecimento fala sobre as coisas das quais somos dignos, a renúncia fala, exatamente, de tudo o que abdicamos para conquistá-las.

A temporada atípica – que casou o final de um ano com o início de outro – não foi fácil. Se em tempos normais o universo do futebol já apresenta seus desafios, imagine em tempos de pandemia? E mais: em tempos de pandemia e crise financeira… O calendário reformulado, no entanto, – que exigiu logísticas mirabolantes, viagens desgastantes e longos períodos longe do lar e das pessoas amadas – fez com que o grupo encontrasse casa, família e motivação nos próprios companheiros de peleja. E a certeza de que todos estavam ali lutando pelo mesmo objetivo e por algo maior para a instituição Chapecoense – muito além das ambições individuais – fez com que a fórmula do sucesso estivesse ao alcance das mãos e dos pés.

  Elenco do Corinthians trabalha em campo de olho no Goiás

Leia mais:  Athletico se reapresenta no CT do Caju pra se preparar pra maratona mais decisiva

Não foi fácil chegar até aqui. Foi muito mais duro do que imaginávamos, aliás. Mas com trabalho, humildade, dedicação, união e, principalmente, com a FORÇA QUE VEM DE CIMA, a Chapecoense cumpriu a promessa. A Chapecoense – feita de pessoas para pessoas – retornou ao lugar do qual jamais deveria ter saído. É a Chape, do impossível, do surpreendente, da resiliência e da superação, novamente entre gigantes. Pode comemorar, torcedor. Pode comemorar, presidente! Com 66 pontos e com cinco rodadas de carimbamos o nosso passaporte. A nossa passagem de volta. O início de mais uma grande história.

A partida: 
Foto: Márcio Cunha/ACF
Foto: Márcio Cunha/ACF

Após as derrotas de Juventude e CSA na 34ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro, a Chapecoense iniciou a partida contra o Figueirense ciente de que uma vitória diante do rival da capital catarinense a confirmaria – matematicamente – na Série A de 2021 e não decepcionou o torcedor que, mesmo sem poder marcar presença na Arena Condá, enviou a energia e as vibrações que garantiram a flechada.

Superior desde o início do embate, o time alviverde chegou ao primeiro gol aos 21 do primeiro tempo, com Paulinho Moccelin: após jogada ensaiada na cobrança de escanteio, Matheus Ribeiro ficou com a bola, cruzou na área e o camisa 94, de cabeça, estufou as redes. A vantagem parcial do Verdão foi ampliada aos 20 da etapa complementar, com o zagueiro artilheiro Derlan. Na bola parada, Paulinho Moccelin mandou na área, o goleiro fez a defesa, mas no rebote, o defensor alviverde – com oportunismo de atacante – mandou para o gol e sacramentou o segundo. Aos 38, o time adversário diminuiu – após converter cobrança de pênalti – mas não foi o suficiente para tirar os três pontos, a vitória, e o acesso do Verdão.

  Cuiabá derrota Botafogo – SP por 2 a 0 pela 26ª rodada

Leia mais:  Abel e Weverton reforçam desejo por 3º lugar no Mundial de Clubes: ‘É pelo que lutamos’

Após a partida, o técnico Umberto Louzer relembrou o início do seu trabalho no clube e exaltou, ainda mais, a conquista. “Eu confesso que eu vim com uma fome de vencer, aceitando esse desafio e entendendo que ele era gigantesco. Acreditanto na oportunidade que também era gigante, acreditando no trabalho da equipe que veio comigo, de todo estafe que aqui eu encontrei. Aqui é um clube diferente. De fato, é uma família. Eu pude viver isso e o que eu procurei fazer foi resgatar o DNA da Chapecoense. Mostrar para o torcedor uma equipe que competia do início ao fim. Hoje é agradecer a todas as pessoas envolvidas e comemorar esse feito que a gente conquistou.

Com o acesso garantido, o Verdão volta a campo, agora, em busca do título. No próximo domingo (17), a equipe alviverde enfrenta o Vitória, às 16h, no Barradão.

Comentários Facebook

Esportes

Palmeiras faz trabalho tático ; G. Menino treina com os companheiros

Publicado


Em um campo, a comissão do técnico Abel Ferreira separou o provável time titular e, contra 11 jogadores do Sub-20, aprimorou transições, saídas de bola, movimentações, marcações, simulações de jogos, jogadas ensaiadas etc. Na sequência, os atletas trabalharam sem adversários e ouvindo as orientações do treinador e de seus auxiliares. Houve ainda aprimoramento de pênaltis.

O atacante Wesley durante treinamento na Academia de Futebol (Cesar Greco/Palmeiras)

No gramado ao lado, o restante do grupo fez um trabalho coletivo contra Crias do Sub-20. Os destaques foram o atacante Gabriel Veron, evoluindo em seu cronograma individualizado, e principalmente o meio-campista Gabriel Menino, que treinou pela primeira vez com os companheiros após ter lesionado o tornozelo direito no dia 31 de março.

O atual campeão da Copa do Brasil embarca para a capital federal ainda nesta sexta. No sábado (10), o Alviverde treina às 11h, no Estádio Ciro Machado do Espírito Santo. Na quarta-feira (14), também em Brasília-DF, o Palmeiras, atual campeão da CONMEBOL Libertadores, enfrenta o Defensa y Justicia-ARG, pela partida de volta da CONMEBOL Recopa. Na ida, no dia 7, o Verdão venceu, em Buenos Aires-ARG, por 2 a 1, com gols de Rony e Gustavo Scarpa – este último de falta.

  Zé Rafael completa 100 jogos pelo Palmeiras

Leia mais:  Avaí treina e viaja à Maceió para confronto com CSA

Cesar Greco/Palmeiras

“É um fundamento que eu procuro sempre aprimorar. Acredito que a cada ano que passa fica um pouco mais difícil de fazer gol de falta. Acho que os goleiros estão melhorando, ficando mais rápidos. Estou muito feliz pelos gols recentes e porque venho batendo bem nos últimos jogos também”, afirmou Scarpa, que, na temporada passada, além dos títulos do Campeonato Paulista, da Copa do Brasil e da CONMEBOL Libertadores, somou 47 duelos e quatro gols.

“Foi um ano difícil, mas também o meu melhor aqui no Palmeiras. No Paulista, fui pouco utilizado, mas pude participar, até batendo pênalti na final. Na reta final da Libertadores e da Copa do Brasil, atuei bastante e isso me deixou muito feliz. E não foram só três títulos, foram três títulos super importantes. Fico contente por ter marcado meu nome na história do clube e espero que em 2021 venham mais conquistas e mais bate-voltas a Hortolândia-SP (cidade onde mora a família de Scarpa) com gravações novas (risos)”, brincou o camisa 14, que falou também sobre as decisões da Supercopa do Brasil e da Recopa.

  Palmeiras encontra dificuldades com técnicos e mantém conversas por Heinze

Leia mais:  Internacional vence o Fotaleza e fica a um ponto do topo do Brasileirão

“São duas decisões, duas competições que o Palmeiras nunca conquistou e então excelentes oportunidades para continuarmos marcando nosso nome na história do clube. Contra o Defensa y Justicia, tentamos desempenhar o nosso melhor junto com a vitória. Não conseguimos a melhor performance, mas o triunfo veio. É claro que não podemos nos enganar, mas vencemos uma partida contra a equipe campeã da Sul-americana e fora de casa. Temos nosso mérito, o time completo voltou agora após folgas. Temos de valorizar sim, mas também estamos cientes de que precisamos melhorar”, finalizou o jogador de 27 anos, que, desde 2018 no Palestra Italia, contabiliza 122 duelos e 24 bolas na rede.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana