conecte-se conosco

Norte do Estado

Réu por atropelar e matar mulher em Arapongas confessa que ingeriu bebida alcoólica, em depoimento

Publicado

G1 PR - RPC Londrina

O motorista Rodrigo Batistoni, réu por atropelar e matar Vanessa do Prado, no mês de março em Arapongas, no norte do Paraná, confessou em depoimento à Justiça que ingeriu bebida alcoólica antes do acidente.

Ele foi ouvido no Fórum da cidade na tarde de segunda-feira (10). A RPC teve acesso ao conteúdo do depoimento. Batistoni falou por cerca de meia hora, e disse que ingeriu cerveja com amigos antes do atropelamento.

“Eu cheguei a beber uma lata. Nós fomos para a Praça Mauá. O pessoal foi comprar gelo e eu fiquei com a minha namorada”, disse.

Ao ser perguntado sobre o conteúdo de imagens de câmeras de segurança em que ele aparece comprando bebidas em um mercado no dia do crime, o jovem afirmou que a cerveja que ele aparece comprando no vídeo é a mesma que bebeu antes do acidente.

Carteira

Ainda no interrogatório, o motorista disse que perdeu o controle da direção do carro porque a carteira dele caiu no chão do veículo enquanto dirigia.

Leia mais:  Motociclista morre após bater veículo contra árvore em rodovia de Londrina

“Fui subindo a rua, entrei a direita, que tinha um quebra-mola. Eu passei devagar porque meu carro é baixo. Aí, eu continuei. Fui pegar minha carteira que estava perto do meu pé. Na hora em que eu fui pegar, eu senti a colisão”, afirmou.

A juíza questionou o fato de o motorista não ter prestado socorro à pedestre após o atropelamento, e o fato de que Batistoni viajou para São Paulo no dia seguinte ao acidente. O réu afirmou que teve medo.

“O pessoal que estava saindo da igreja estava vindo, só que era muita gente, aí eu fiquei assustado. Fui para a casa da minha namorada”, disse.

O jovem também disse que só soube informações sobre a vítima ao acompanhar a repercussão do caso na cidade.

“Eu só fiquei sabendo da vítima, quem era, através da televisão, na segunda-feira (…) Até então, eu não tinha falado com ninguém por motivo de estar com medo, em choque”, ressaltou.

Peritos apontaram que foram feitos reparos e sinais de pintura recentes na picape de Batistoni que, segundo a polícia, foram realizados com o objetivo de atrapalhar as investigações. O réu negou ter feito qualquer manipulação no veículo.

Vanessa do Prado Alves Machado morreu após ser atropelada, em Arapongas — Foto: Reprodução/RPC

Vanessa do Prado Alves Machado morreu após ser atropelada, em Arapongas — Foto: Reprodução/RPC

Relembre o caso

Na madrugada de 3 de março, segundo a Polícia Civil, Batistoni atropelou Vanessa, o namorado dela e um amigo. Os três pedestres voltavam de um evento em uma igreja católica.

Leia mais:  Passagem de ônibus em Maringá sobe para R$ 4,30 a partir desta sexta (14)

O amigo e o namorado de Vanessa não sofreram ferimentos. A pedestre foi internada e morreu no hospital, três dias após o acidente.

O motorista foi preso pela Guarda Municipal no dia 8 de março. Ele foi denunciado por homicídio com dolo eventual, quando se assume o risco de matar, omissão de socorro e fraude processual.

A guarda dos três filhos de Vanessa, dois meninos de 7 e 12 anos, e uma adolescente de 16 anos, ficou com os pais dela.

Comentários Facebook

Norte do Estado

MP-PR e Polícia Civil abrem novas investigações sobre desvios de recursos do Hospital Universitário de Londrina

Publicado

Por RPC Londrina

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) e a Polícia Civil abriram novas investigações para apurar desvios de recursos do Hospital Universitário (HU) de Londrina, no norte do Paraná. As investigações começaram após a morte de uma servidora da instituição.

Lucélia Pires Ferreira, tinha 56 anos, e foi encontrada morta em um rio em Porecatu, na região norte, em outubro de 2018. Ela foi vista pela última vez deixando a nora em um camelódromo, na Sona Sul de Londrina, na manhã de 3 de outubro.

A mulher seguiu em direção à Avenida Dez de Dezembro e deveria ter chegado ao Hospital Universitário (HU), onde trabalhava como secretária. No dia seguinte, o carro dela foi encontrado ao lado de uma ponte no limite entre os municípios de Porecatu e Alvorada do Sul. O corpo estava dentro do rio.

Em março deste ano, a Polícia Civil fez uma operação para apurar um esquema de corrupção que causou um prejuízo superior a R$ 1 milhão ao HU.

Leia mais:  Motociclista morre após bater veículo contra árvore em rodovia de Londrina

As investigações começaram em outubro 2017, depois de denúncias do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR). Na época, se suspeitou que a servidora pública Lucélia Ferreira, que era responsável pela Secretaria da Diretoria Clínica do Hospital Universitário, fraudava licitações para a contratação de serviços médicos através de empresas terceirizadas. Dessa forma, pagamentos indevidos eram gerados.

A investigação detalhou que a servidora copiava o Registro Demonstrativo de Frequência de Trabalho de um médico contratado por uma empresa lícita e lançava junto no processo de pagamento de uma empresa que era do genro dela, um homem de 26 anos, que era estudante de medicina veterinária. Conforme a Polícia Civil, o mesmo trabalho era lançado duas vezes.

Agora, o novo inquérito civil, aberto pelo MP-PR, vai apurar irregularidades na contratação de empresas terceirizadas para prestação de serviços médicos pelo hospital. O MP-PR quer confrontar dados da Universidade Estadual de Londrina (UEL) com os do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) para saber se os procedimentos adotados pelo hospital causou prejuízos ao cofres públicos.

Leia mais:  Moto com R$ 25 mil em multas e impostos atrasados é apreendida em Maringá

A Polícia Civil também abriu uma nova investigação contra dez médicos, que também são professores da Universidade Estadual de Londrina (UEL), suspeitos de receberam duplamente pelos serviços prestados. Conforme a polícia, os profissionais receberam salários como servidores do estado e também como profissionais contratados por uma empresa terceirizada.

Os profissionais são investigados pelos crimes de peculato e falsidade ideológica, por fraudes em registros de cartões ponto.

A morte de Lucélia Pires Ferreira ainda não teve causa definida. A Polícia Civil ainda não sabe dizer se ela se matou ou se foi assassinada.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana