conecte-se conosco

Curitiba

Marcha para a Diversidade será neste domingo em Curitiba. Confira a programação

Publicado

Redação Bem Paraná com Blog Barulho Curitiba

Neste fim de semana, Curitiba recebe a Marcha para a Diversidade. No domindo, 30 de junho, a concentração será na Praça Santos Andrade, em frente ao prédio histórico da Universidade Federal do Paraná (UFPR) a partir das 13 horas e com uma vasta programação com apresentação de vários artistas deve seguir até as 21 horas. A Marcha é organizada pela página Marcha pela Diversidade 2019 -CWB, no Facebook.

Organizada pelo Grupo Dignidade, Coletivo Cássia, Transgrupo Marcela Prado e UNA LGBT-PR, a Marcha tem o objetivo de comemorar a Rebelião Stonewall, ocorrida em 28 de junho de 1969, e que marca o inicio do movimento moderno pela libertação gay e pelos direitos humanos LGBT nos Estados Unidos.

A Rebelião de Stonewall foi uma série de manifestações violentas e espontâneas de membros da comunidade LGBT contra uma invasão da polícia de Nova York que aconteceu nas primeiras horas da manhã de 28 de junho de 1969, no bar Stonewall Inn, localizado no bairro de Greenwich Village, em Manhattan, em Nova York, nos Estados Unidos.

De acordo com o texto de chamada da página na rede social “a cada 28 de Junho, comemoramos a Rebelião de Stonewall, acontecimento que lançou os princípios do ativismo LGBTI+ nos últimos 50 anos. Ideias como “orgulho”, “sair do armário”, e “paradas”, surgiram desse episódio emblemático”.

Leia mais:  Caminhão-baú tomba no Contorno Sul e motorista fica ferido, em Curitiba

“São 50 anos de cor, liberdade, orgulho, alegria, mas também 50 anos de luta e resistência. O contraste entre a festa e a luta faz parte de nossa história e iremos celebrar ambos”, diz os detalhes do texto.

ONDE & QUANDO?
No dia 30 de Junho, às 13 horas, começa a concentração na Praça Santos Andrade, em frente ao prédio histórico da UFPR, em Curitiba (PR).

A Marcha pela Diversidade é uma realização do Grupo Dignidade, Coletivo Cássia, Transgrupo Marcela Prado é UNA LGBT PR.

#cwbpride19

 

PRESENÇAS CONFIRMADAS

Patricia Lemonge
Shayanne Ashella
Zaffyra Massafera
Nicolly Caparelli
Scarllet Bastos
Myrella Albuquerque
Myrella Massafera
Alexia Mozzer
Linda Power
Drags da Casa Época
Thabata kloze
Al Majid
Thalitha Pereira
Alysson Reis
Hellen Werneck

DJS:
Luccas Serafim
Ander Silva
Dominick Tupilepã
Kaleu Venture
Murillo Prestes
Calvin Freitas
Douglas Bastreghi
Edryns Edinei
Ela Saraiva
Wander Bueno
Zuccare (SP)
2 vagas para última chamada

Comentários Facebook

Curitiba

Com 318 pacientes em UTIs para Covid, taxa de ocupação no SUS chega a 91,38% na RMC

Publicado

A taxa de ocupação das UTIs na rede pública de saúde para pacientes com Covid-19 ou com suspeita da doença atingiu um novo recorde neste sábado (04 de julho). Conforme dados divulgados na noite de ontem pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesa), 318 pessoas estão internadas, sendo que há 348 vagas disponíveis. Desta forma, temos uma taxa de ocupação de 91,38% nos onze hospitais que atendem a Região Metropolitana de Curitiba (RMC), recorde dessde o início da pandemia do novo coronavírus.

Três dos hospitais já não tinham mais capacidade para receber novos pacientes. Eram eles: Hospital Erasto Gaertner, Hospital Evangélico e Hospital Municipal de São José dos Pinhais. Além disso, a taxa de ocupação em outros cinco estava acima de 90% (Hospital da Cruz Vermelha, Santa Casa, Hospital de Clínicas, Hospital do Trabalhador e Hospital do Rocio, este último localizado em Campo Largo). Já no Hospital do Idoso e no Hospital do Trabalhador a taxa de ocupação está em 86,67% e 88,46%, respectivamente, e no Hospital São Lucas Parolin, também em Campo Largo, a taxa é de 50%.

Na comparação com os dados de sexta-feira, houve um leve aumento no número de internados, que passou de 317 para 318. Importante destacar, contudo, que isso não significa necessariamente que apenas mais uma pessoa tenha necessitado de internação em UTI, uma vez que há a possibilidade de terem ocorrido altas no período analisado. De toda a forma, a taxa de ocupação passou de 91,09% para 91,38% – na sexta, inclusive, havia sido a primeira vez que as UTIs da cidade registraram um porcentual acima de 90% de ocupação. Na quinta-feira os dados não foram divulgados pela Sesa, mas até quarta essa taxa vinha se mantendo abaixo de 85%.

Comparando os dados de ontem com os dados do dia 16 de junho, temos que em pouco menos de três semanas foram inaugurados 108 novas UTIs na RMC, com o número de leitos disponíveis saltando de 240 para 348 – um avanço de 45%. O número de pacientes internados nessas unidades, contudo, teve um salto de 58,21%, passando de 201 para 318 no período analisado.

Leia mais:  Delegado conversava por telefone com a mãe antes de matar mulher e enteada, diz defesa
Ocupação de leitos SUS por casos suspeitos/confirmados COVID – 19 (04/07)
UTI
Estabelecimento Vagas existentes Vagas ocupadas Taxa de ocupação
Hospital da Cruz Vermelha 14 13 92,86%
Hospital Erasto 10 10 100,00%
Hospital Santa Casa 15 14 93,33%
Hospital de Clínicas 61 56 91,80%
Hospital Evangélico 23 23 100,00%
Hospital do Idoso 30 26 86,67%
Hospital do Trabalhador 22 21 95,45%
Hospital de Reabilitação 52 46 88,46%
Hospital Municipal de S. José dos Pinhais 10 10 100,00%
Hospital do Rocio 103 95 92,23%
Hospital São Lucas Parolin 8 4 50,00%
TOTAL 348 318 91,38%
Enfermaria
Estabelecimento Vagas existentes Vagas ocupadas Taxa de ocupação
Hospital da Cruz Vermelha 15 12 80,00%
Hospital Erasto 30 21 70,00%
Hospital Santa Casa 10 7 70,00%
Hospital de Clínicas 83 68 81,93%
Hospital Evangélico 48 43 89,58%
Hospital do Idoso 37 37 100,00%
Hospital do Trabalhador 34 10 29,41%
Hospital de Reabilitação 32 17 53,13%
Hospital Municipal de S. José dos Pinhais
Hospital do Rocio 212 96 45,28%
Hospital São Lucas Parolin 10 5 50,00%
TOTAL 511 316 61,84%

Estoque de sedativos está próximo do fim

Na última terça-feira, quando o Paraná anunciou que sete regionais do estado entrariam numa quarentena mais restritiva por conta do avanço das contaminações pelo novo coronavírus, o secretário estadual de Saúde Beto Preto também comentou uma série de questões que preocupam hoje o Poder Público e dizem respeito aos hospitais.

A primeira delas é a falta de insumos, principalmente sedativos para intubação. No último final de semana, revelou na ocasião o governador Ratinho Junior, houve até um hospital particular de Curitiba, cujo nome não foi revelado, que chegou a ficar no último sábado sem sedativos para os mais de 20 pacientes com Covid internados em UTI. A solução do Estado foi emprestar 50 ampoulas de um medicamento e mais 100 de um outro, para que o estabelecimento de saúde pudesse manter os pacientes intubados, explicou Beto Preto. Acontece, porém, que os estoques estão chegando ao fim.

Leia mais:  Dono de casa de jogo clandestina é encontrado morto com marcas de violência na cabeça

“Nossos estoques vão mais uns dias, mas aguardamos uma tomada de posição do Ministério da Saúde para que possamos regularizar nossos estoques”, complementou o secretário de Saúde, revelando ainda que o consumo de medicamentos sedativos, como Propofol, Midazolam e Fentanil cresceu cerca de 500% em relação à média histórica, uma vez que os pacientes que são intubados precisam ficar sedados.

A situação, inclusive, levou à suspensão dos procedimentos cirúrgicos eletivos, ambulatoriais e hospitalares, em todo o Estado. A medida, conforme o governo estadual, se deve justamente à escassez de medicamentos anestésicos e relaxantes musculares. Dessa forma, a suspensão ajudaria o governo a otimizar os estoques existentes, preservando sua utilização para terapias.

‘Não adianta abrir mais leitos se não há profissionais’

O outro problema que o estado e o Brasil como um todo encaram é a falta de intensivistas. Nos últimos tempos, o Paraná investiu fortemente na abertura de leitos UTI e enfermaria para poder dar conta da demanda de pacientes contaminados pelo novo coronavírus. Acontece, contudo, que a capacidade de ampliação do atendimento está chegando no limite, e esse limite se dá nem tanto pela falta de capacidade de abertura de novos leitos, mas sim pela dificuldade em se conseguir mais profissionais para atender a população.

“Mesmo que a gente abra mais leitos de UTIs, você tem dificuldade de ter mais profissionais. Então nós precisamos fazer com que essa curva perca sua velocidade para que toda essa estrutura que nós já temos possa suportar esses atendimentos, já que nós temos, inclusive, escassez de mão de obra”, declarou Ratinho Junior.

“Nós estamos chegando no limite. Os profissionais que atuam em unidade de terapia intensiva estão acostumados a trabalhar na tênue linha entre a vida e a morte. Nós temos casos que vão par UTI que precisam da mão do intensivista. Existem outras especialidades que ajudam também, mas os especialistas são os intensivistas, e esses intensivistas também é finito, não existe à disposição no mercado”, emendou Beto Preto.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana